sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Num dia a gente perde, no outro a gente ganha...


Em relação a peso, 2008 foi o melhor e pior ano pra mim. De Janeiro a julho emagreci, vi as pessoas me elogiando, calças menores entrando e me senti um pouco mais normal. Claro que tiveram cortes, tristeza sem explicação e etc, mas o assunto aqui é peso. Em agosto, depois de um diagnóstico precipitado de um médico bonitão, comecei a tomar uns remédios que me davam uma fome(fome de verdade) do cão, e eu acabei sendo fraca o suficiente pra recuperar quase tudo que eu havia mandado embora. As calças começaram a ficar apertadas... primeiro uma, depois outra, e outra, e outra... Agora tenho uma calça jeans que fecha, como era no começo do ano. Mas uma coisa eu juro aqui pra vocês: Até março de 2009, se não antes, estarei usando elas de novo! Promessa que faço por mim, e por todas nós!
P.S- ALGUÉM ME LEVA PRO FRIO, TA FAZENDO TANTO CALOR AQUI... :(

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Agora é emagrecer ou emagrecer


Me matar eu não quero, viver gorda muito menos. Portanto,é emagrecer ou emagrecer.
Hoje minha mãe sentiu o cheiro de "vômitos escondidos" no meu quarto.Disse pra eu vomitar no banheiro então, ao invés de ficar estragando toalhas e deixando odores podres no guarda-roupa. Ela que não faça mais cara feia então.

Me lembro que ano passado, nessa época, mesmo com todos problemas, com todas as confusões e com tudo mais, nós estávamos bem mais unidas. Hoje várias gurias sumiram...
Saudade é a pior coisa.

terça-feira, 25 de novembro de 2008


As vezes eu realmente pouco compreendo do que se passa comigo. Em um momento estou dando gargalhadas para em seguida estar sendo estúpida por quem passar por mim, e logo depois disso, estar chorando de tristeza e remorso.


Hoje estou melhor que ontem, sem dúvida. Estou sem voz devido a um resfriado, mas estou pouco me lixando.
Tem horas que eu queria ser invisível, mas tem horas que eu queria ser notada por algumas pessoas.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008


Não queira saber como eu me sinto, porque isso pode acabar contagiando você.

Não queira saber o que eu fiz, porque isso pode fazer você me odiar.

Não queira entender os meus atos, acredite, você pode acabar enlouquecendo.



Não tenho a mínima idéia do que está acontecendo comigo.Sinto ódio, raiva da maioria das pessoas, até das que posso afirmar que amo. Mas algo acontece comigo, a presença de todos me incomoda, é quase incontrolável. Me sinto mal por isso, mas tem horas que eu tenho vontade de avançar nas pessoas, e justo nas que eu mais amo. Mas o que acontece é que elas ficam me cercando, se intrometendo na minha vida, e todas tem excessivo bom humor.Meus pulsos pedem algo afiado, e se é isso que eles querem, é isso que eles terão. Definitivamente, tenho medo de mim, tenho medo de estar enlouquecendo, literalmente.


Minhas últimas preces foram: "Vai Deus, acaba logo de uma vez com a minha vida, porque aos poucos não dá mais..."

Enão me venham com esse papo de que ele está me dando força o tempo inteiro... Eu estou ferindo pessoas inocentes, e não somente eu mesma.

domingo, 23 de novembro de 2008

Apenas voltei. Me perdoem por ter excluído o outro blog, mas estava tão... cheio de momentos vitoriosos que estavam sendo jogados fora, que resolvi fazer outro. Recomeço e blablabla.

As próximas três semanas serão tudo ou nada na escola. A probabilidade é de 90-10, 90 para reprovação. Mas tenho lá minhas chances, o que não tenho é ânimo. Mas surpresas acontecem, mas estou pensando nos 90. Sem expectativas, sem decepções.


Vou ganhar no natal um presente que sempre quis ter: Um violão! Ao menos a baixaria do capitalismo e consumismo dessa época me deu uma coisa boa. E junto, vou começar um curso de violão.


Bom é isso...

Valeu pelo apoio de sempre gurias.