terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Avalanche


Minha mãe está na mais profunda depressão. Estou triste, desesperada e com dor na consciência, porque sei que eu poderia ter sido mais útil nos últimos tempos. Acho que os problemas que ela carrega desde 2001, quando a nossa vida mudou drasticamente, formaram uma bola de neve, e agora minha mãe está em meio a um avalanche, sem ter ideia de como sair, já entrego, já desistindo.


Até 2001, as coisas funcionavam bem aqui em casa. Minha mãe trabalhava fora e minha vó fazia os serviços domésticos, até que em janeiro de 2001, minha mãe me acorda de manhã cedo:

-Marcy levanta, tu vai pra casa da tua tia hoje.

-Ah mão, to com sono!

-A vó teve um derrame e nós vamos levá-la pro hospital.

Imediatamente eu estava sentada na cama. Não acreditava no que eu estava ouvindo. Desde pequena ouvi as histórias do meu bisavô que morreu decorrente de um derrame, e agora a minha vó. Quis ver ela. Apenas espiei, não tive coragem de olhar para o rosto dela, e também não disse tchau. Mas minha vó é forte e sobreviveu, está aí até hoje, porém, não é mais a mesma. O lado esquerdo do corpo dela ficou bastante sequelado, paralisado. Ela ficou um bom tempo no hospital, e nesse tempo aconteceram os primeiros telefonemas para a tele-entrega, afinal minha mãe estava esgotada. Pizza e Xis virarão refeição principal aqui em casa, e eu aprendi a fazer lanches gostosos com pão e maionese.


Quando a minha vó voltou do hospital, eu deixei de ser cuidada, e passei a ser quem cuidava. Claro que eu não fazia tudo sozinha no começo, mas aos poucos a minha vó começou a conseguir fazer algumas coisas sozinha. Ir ao banheiro, tomar banho, etc. Mas quando ela precisava trocar de roupa, lá estava eu, na hora de colocá-la na cama, lá estava eu. Junto com isso vieram as minhas tias e suas ordens. De repente elas faziam suas visitas e quando saíam, TODAS diziam: "Cuida da tua avó heim!" "Não vai causar encomodo pra tua mãe nem pra tua avó!"

Um dia eu estava correndo, e minha mãe, que trabalha a noite estava dormindo, era uma tarde de fevereiro, e uma tia minha perguntou se eu queria que a minha mãe tivesse um derrame por minha culpa, porque eu estressava ela demais.


A minha mãe também teve um baque, e agora eu, idiota que sou, vi o quanto de ajuda eu neguei a ela. Minha mãe além de trabalhar ficou com tudo em casa pra fazer. De uma semana para outra,a casa estava uma bagunça, como está até hoje. Eu e ela engordamos. Uma certa vez, comemos pizza por uma semana inteira. E eu nunca fiz nada pra melhorar nossa condição! Tudo bem, eu ajudava a minha vó, mas coloquei essa como minha única tarefa, e eventualmente lavava uma louça, enquanto a minha mãe ficou com todo resto. E agora minha mãe está como está. Mal, triste, amargurada. E eu sou parte disso. Eu ajudei a causar isso. Não há nada que possa ser feito para mudar o passado, o que posso fazer é ser mais útil em casa, deixar de ficar lendo romances e livros policiais, deixar de lado essa merda de computador, esquecer nossa coleção de DVDs por um tempo. Minha mãe precisa de mim agora.



Ela toma remédios pra pressão, e ha alguns meses uns remédios pro pulmão. uvi ela dizendo pra si mesma o seguinte:

"Vou parar de tomar esses remédios pra ver se eu morro de uma vez."
Eu acho que vou junto.


Eu faço parte disso, ajudei a causar isso.

8 comentários:

disse...

A culpa não é de ninguém, humanos erram,idiotice é permanecer no erro. boa sorte nesta nova empreitada em ajudar a sua mãe, que dê tudo certo neste 2009!

Srtª Vihh disse...

Oo
fiquei tão triste e impressionada com teu post,amiga. Até sem palavras eu fiquei, pq na minha opinião, vc ficou com tamanha culpa sobre vc, como se fosse a unica causadora de tudo isso, sei que é ruim, mas vc precisa é estar forte, pq ainda dá para reverter esta situação, tá?
miGa, já amooo vc d+, pq eu estou te conhecendo e a cada dia eu tenho um pouco de voce.Pq eu acho que somos parecidas, afinal!
Lute.
Persista e
não desista.
Pq eu tbm já passei por problema igual e sei como é, a dor é tudo que existe em você, mas sua mão precisa de vc, ok?
bjOooo

MISS PRISS disse...

Marcy, tenho uma péssima e uma ótima notícia para vc: converse com qualquer psicóloga (o) que vc descobrirá que nada é culpa sua. Você era o ser em fromação e era que deveria ser cuidada e protegida, as situações fizeram com que vc assumisse muito cedo a responsabilidade de cuidar de alguém com debilitações físicas e por isso com certeza uma lacuna ficou durante toda essa experi~encia, algo que faltava. Mas vc é a filha e não a mãe. Eu fiz muita terapia por isso. Porque achava que era a mãe da minha mãe. Cheguei a brigar com Deus quando ela fez cirurgia de apendicite e ele não quis dar a dor dela pra mim. Disse que jamais acreditaria nele. Hoje percebo que cada um tem uma vida e cabe a si fazê-la melhorar. Há muitas fromas de fazer isso. Deixe de ser mãe e volte pro seu posto: deixe-se ser cuidada porque vc está precisando.
Te amo viu!
Priss

Andie disse...

Minha mãe já sofreu um princípio de enfarte.Eu me senti um lixo,mas depois pensei: "minha mãe se esforçou tanto pra cuidar de um lixo?Não,ela não faria isso.Então serei melhor."
Não é fácil ser uma adolescente e ter que cuidar de uma idosa.Não é fácil ver a mãe a fumar e saber que essa é a causa pela qual ela anda tão mal.
O remorso,a culpa que sentes já te redime em parte.Mostra que não és uma ingrata.Mostra que tens consciência e que sabe das atitudes que tem de tomar.
Sejam em relação a comida ou à vida,planeje-se,arrume uma rotina,cumpra horários.
Assim,não precisará se abster dos teus livros e filmes.
Uma coisa Shakespeare disse e eu concordo:
"Quanto menos tempo tenho,mais coisas consigo fazer."

Beijos,querida :)

camila, camila disse...

marcy, todos temos problemas e culpas pra carregar, e geralmente e algo q nao podemos dividir com ninguem, ai uma hora isso tudo vem a tona e acontecem essas crises... mas nao pode achar q e culpa tua, eu admiro isso de tu ja tao nova ser responsavel pelos cuidados com tua avo e ajudar em casa no que pode, valorize isso tb! claro q a sempre acha faz pouco, e se tu se sente capaz de ser mais util, entao faça o possivel pra isso, pra aliviar o peso q esta nas costas da tua mae, so nao se culpe pelo estado dela, cada um tem q carregar a propria cruz...
e nao se deixe de lado por causa disso, nao desista de ti, dos teus sonhos, por causa de problemas q acontecem em todas as familias, nao deixe de pensar em ti jamais ok!
fica bem querida!
bjussssss

Ácido Sulfúrico disse...

vou restringir o blog
entao manda email pra lacarolzita@yahoo.com.br se quiser q te envie o convite
kissus

Mellissa * disse...

não se sinta culpada
se alguem te culpa é pq tbm esta se sentindo culpado...
e tente converçar com a sua mãe ,de apoio pra ela,e não deixe ela parar com os remedios
mas se ela não melhorar (ela vai melhorar)
não se deixe levar
e lembresse
vc é livre pra chorar o quanto quiser
estamos com vc,se quiser ajuda ,sempre estaremos aki
add se quiser: Nat_xd_x3@hotmail.com

beijo thispo

ruby disse...

Oi Marcy!
Por mais que vc não acredite, ninguém é culpado. A culpa não é sua.
Como no meu caso .. Eu também estou no meio da maior depressão que eu NUNCA imaginei que fosse acontecer! Tomando um monte de remédios para um monte de problemas. E, se eu parar para pensar, ninguém é o culpado por eu estar assim! As coisas acontecem. Assim é a vida.

Não se culpe, isso vai te fazer mal. Acredito que a melhor coisa que pode fazer a sua mãe é mostrar que você está bem (uma mãe, quando vê a filha sofrendo, sofre junto), conversar com ela quando percebe que alguma coisa está acontecendo ou só para bater papo mesmo. Isso vai unir vocês, fazendo bem para as duas.

Não deve ser fácil cuidar de uma avó. Isso a torna uma pessoa admirável! Não é todo mundo que faz o que vc faz.
Então, não deixe essa auto-estima cair ainda mais ;)

Beijinhoooos, querida!!
Cuide-se!!!