terça-feira, 28 de abril de 2009

Caren Carpenter


Sempre gostei das músicas deles-aliás, coloquei uma delas aqui no blog hoje-, e há alguns anos atrás resolvi procurar a biografia dos Carpenters. Naquela época eu já vomitava,tomava laxantes, comia feito um boi carnívoro e mantinha contato com pessoas bulímicas, compulsivas e anoréxicas, e então leio que Caren Carpenter penou com os TAs dela, anorexia e bulimia.
Tenho que falar que sinto uma raiva imensa quando vejo alguma guria dizendo que Caren Carpenter é uma thinspo, um exemplo, etc. Ela morreu por causa da anorexia, morreu lutando contra ela, deixou no mundo da música uma ausência jamais substituível, sua voz é incomparável.
Caren foi quem trouxe a anorexia realmente à mídia, depois de sua morte algumas personalidades assumiram seus TAs, inclusive a Princesa Daiana. Vale lembrar que personalidades mais ‘antigas’ também tiveram anorexia, mas a morte de Caren deu o baque maior na mídia.


Hoje em dia, a anorexia são coisas comuns, infelizmente vulgarizadas. Se alguém quer perder uns quilinhos, logo pensa em adquirir uma anorexia ou bulimia, afinal isso emagrece. A anorexia realmente emagrece, mas não se pega, e quem consegue chegar nesse estado, todas nós sabemos, é difícil sair, assim como sabemos onde ela pode nos levar.


Bulimia não emagrece em todos os casos, afinal, eu fui classificada por uma psiquiatra e uma psicóloga como bulímica- e claro, compulsiva alimentar-.
Pessoas entram em comunidades, fóruns e blogs pedindo dicas de como conseguir ter essa doença. Chega a ser ridículo. Apesar de o termo ser usado por praticamente todas, detesto e procuro não usar os termos Ana e Mia, porque não acho que se deva dar apelidos carinhosos para coisas destrutivas, mesmo muitas pessoas achando que o único caminho certo é anorexia ou bulimia, temos que admitir, elas são sim destrutivas.

Só espero que nenhuma das minhas ‘amigas virtuais’ acabe como a Caren Carpenter.



segunda-feira, 27 de abril de 2009

Abandonando o velho barco


Os velhos sonhos não me preenchem mais. Aqueles que antes me davam esperanças e a perspectiva de uma vida melhor hoje me parecem utopias, sonhos que eu não tenho como realizar no momento.
É preciso renovar os sonhos quando se percebe que eles não serão realizados, a não ser que se prefira a vida inteira amargando, e é exatamente para isso que estou caminhando, e é exatamente isso que eu não quero. No momento digo adeus à esperança de entrar pra universidade ano que vem e me despeço de alguns outros planos a curto prazo.

O que eu quero? Melhorar. Ter força. Não sei onde deixei a minha. E digo-lhes mais: Minha gordura não trouxe a minha insatisfação, a minha insatisfação foi o que trouxe a minha gordura



Me animei com o projeto Today Is The Day. Vou tentar me dar um pouco de satisfação seguindo uma dieta.

sábado, 25 de abril de 2009

E o que eu posso dizer?


Nada aconteceu, nada acontece. Eu continuo a mesma.
Meu corpo responde aos meus excessos.
Excesso de comida, excesso de laxantes, excesso de raiva, excesso de tristeza.
É um caminho para a amargura que eu não quero seguir.
É hora de mudar.


Estou com uma série de problemas e sintomas.
Minha pressão anda alta (mal de família), minha mãe está desconfiada que eu estou com problemas na tireóide. Ela quer me levar em um posto de saúde, já que cancelamos o convênio e não temos grana para pagar um médico particular. Pode parecer arrogância, mas eu não vou. Eu
leio jornais e assisto telejornais e sei como é a saúde pública.
Vou esperar e ver no que isso vai dar... =/ Que saco!
Abraços à todas.
Amo-as e sempre penso em vocês.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Algumas observações

Inveja da barriga da moça aí de cima? Pois ela é casada com Johnny Depp!
Combinei de encontrar minhas amigas no centro hoje... Aiii! Lá vou eu pegar ônibus, suar que nem uma folha de alface fechada em um saco plástico... Mas tudo bem, dará tudo certo.

Enquanto isso, to aqui curtindo minha fossa socio-vital com o James Blunt, ouvindo ele cantar pra mim: you don't beautiful...



Pesquisando Botero achei um texto legalzinho, vou colocar o trecho que ressalta Botero e depois coloco o link, se alguém quiser ler na íntegra.


O pintor Colombiano Fernando Botero é um cara que satiriza em suas obras políticos, militares, religiosos, músicos e a realeza. Ele retrata essas pessoas como figuras rotundas e sem movimento assumindo a característica estática. Mas por que ele pintava pessoas gordas? Ele mesmo dizia que não pintava pessoas gordas e que, na verdade, este exagero nas formas, apenas refletia uma preocupação estética e, sobretudo, possuia uma função estilística. Botero era um pintor figurativo e suas imagens eram dirigidas pela realidade, vindas essencialmente de sua memória. Ele não se preocupava em pintar coisas especiais, mas utilizava a transformação ou deformação para transpor a realidade em arte. “O que seria da arte senão deformação da realidade originada por uma inquietude estética, um sentido preponderante da tarefa estilística?”, sublinha Botero num artigo.
(Lara Gerin)


Esse texto também fala de uma cantora punk chamada Beth Ditto, não ser se vocês já ouviram falar dela, já viram alguma foto dela? Ela é obesa, e o texto se refere a ela como uma gordinha que não está nem aí e blablabla, mas se vocês verem as fotos(que eu me recuso a postar aqui), talvez concordem comigo. Existe uma diferença entre se aceitar gorda, viver feliz assim, e se humilhar, agredir as pessoas com sua gordura.

Por exemplo, a atriz Queen Latifah é um dos poucos exemplos femininos de pessoas acima do peso que vemos fazer sucesso no cinema, e ela parece não se sentir mal com isso. Ok, uma pessoa que é feliz acima do peso. Agora essa Beth Ditto, posando nua, subindo aos palcos vestindo lingerie, andando com as axilas peludas, por favor, isso é uma forma de agressão! Ainda bem que nunca usei roupas que mostrem as minhas banhas. Viva as batas!

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Botero


Depois do ocorrido com a minha vó ontem estou ignorando as provocações e tentando manter a cordialidade com ela.

Estou há uma semana sem caminhar, que saco! Me sinto maior, se me sinto, provavelmente é porque estou! As caminhadas ajudam tanto! Tenho que retomar já!



Está imagem acima é de um artista plástico chamado Botero, ontem postei uma imagem dele também. Se vocês procurarem trabalhos dele, lerem a sua biografia, perceberão que ele sempre retrata pessoas gordas. Eu fico me perguntando por que... (???) Nunca vi uma foto dele, pelo que vi ele está vivo mas beeem velhinho. Será que ele conviveu com uma pessoa obesa, ou foi obeso, sente atração pela obesidade ou algo do tipo?!
Intrigante...
Bjos.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Olhe-se no espelho


Minha vó começou a implicar comigo ontem por causa dos cachorros, que ela diz que eu dou muito valor à eles e blablabla... Minha vó acabou ficando sem resposta na discussão que segue aí em baixo, mas arrumou uma resposta bastante contundente.


-Tu vai perder essa longe 'Marcy'!
-Mas quem aqui tá brigando pra ganhar ou perder?
-Eu não!!! (como uma religiosa fervorosa, que obedece as leis da igreja católica, ela sempre condena brigas e discussõs, mas vive no faça oque eu digo, não oque eu faço.)
-Mas tu que falou em ganhar ou perder!
Ela não respondeu e eu comecei e rir, na boa, achando que tinha ficado tudo bem, até que...
-Tu deveria te olhar no espelho! Te olhar no espelho!
Quem ficou sem resposta dessa vez fui eu.
Mas ela tem razão, e vou te dizer, eu me olho no espelho, mas raramente olho do pescoço pra baixo pra ser sincera, e quando olho vejo só a realidade, e a realidade nesse caso é triste, grotesca no momento. Não posso deixar de agradecer por ter dois braços, duas pernas etc, e também não posso deixar de pedir perdão por não utilizar como poderia, ou deveria. Tantas pessoas mutiladas, e eu me destruindo, esticando a minha pele cada vez mais .

Minha vó sempre foi uma pessoa fria comigo, e soube que ela foi uma mãe fria também, minha mãe me contou coisas que não me dou o direito de contar aqui, porque foram momentos tristes da minha mãe. Quando eu era pequena ela me chamava de bruxa, e eu sempre, sempre tive as minhas divergências com ela, mas sempre a amei, sempre me preocupei com ela, e resolvi dedicar a minha adolescência, e sabe-se lá, talvez, toda a minha vida à ela. Não é com tristeza que digo isso, mas a minha vó vai longe. Uma pena ela ser uma pessoa tão difícil. Mas falei com a minha mãe, porque ano passado ela parou de tomar antidepressivos e agora fica toda hora dizendo que ninguém gosta dela, que isso e que aquilo, e acho que vamos ter que entrar novamente com os remédios.
Se eu faço cozido ela pede frito, se eu frito, eu não fritei direito, se eu levo crú, eu deveria ter cozinhado.

Minha vó sempre me assustava dizendo que eu podia ir pro inferno agindo como eu agia, desde criança. Sinceramente, acho que não é preciso morror para conhecer um pedacinho do inferno.

Obrigada sempre pela força, amo vocês.

sábado, 11 de abril de 2009

Sabe aquele dia em que você trata mal todos a sua volta? Ando assim...
Sabe aqueles dias em que você não consegue se sacrificar um pouquinho que seja, nem pela pessoa que mais ama? Ando assim...
Sabe aqueles dias em que se não fosse o único alicerce que te mantém aqui você provavelmente daria um jeito de acabar com a própria vida? Ando assim...

De repente perdi toda a vontade, tudo parece tão distante e tão impossível.
Hoje, ontem, sei lá, nesse momento, minha mãe é a única pessoa que me mantém viva, é como se ela fosse o aperelho que mantém meu coração bombeando sangue e meus pulmões puxando o ar. Se acontecer algo a ela, acho que morro, porque qualquer coisa que aconteça a ela a culpa é minha, porque sempre fui uma pessoa instável, nunca dei orgulho pra ela. Sempre foram notas baixas, bilhetes por mau comportamento, nutricionistas, endocrinologistas, bulimia, reprovações... QUALQUER COISA QUE ACONTEÇA À ELA A MAIOR PARCELA DE CULPA É MINHA!


Minha pessoa anteontem. Com a barriga bem encolhida, mesmo assim uma orca pançuda, agora imaginem se relaxo o corpo... =/

Percebam a organização do recinto:
Cama sem lençol e todo o resto atirado na estante...

quarta-feira, 8 de abril de 2009

As roupas e o susto

Deixo aqui as fotos de algumas roupas que não me servem mais, estão lá, no meu roupeiro, me esperando.

Algumas eu já doei, mas por essas tenho um carinho especial e não vou me desfazer delas. Exceto essa primeira, que já dei mesmo.

Ontem me pesei...
E que vergonha...
Estou mais gorda do que imaginei






Aliás, comprei um tal de chá 30 ervas, que diz a colega da minha mãe, que emagreceu 15 kgs tomando ele.

Uma coisa eu juro, até o fim desse mês, eliminarei 10 kgs pelo menos, pra sair dos 3 putos dígitos, caso contrário, me castigo já que ninguém faz isso comigo.
Achei essa matéria de uma guria que emagreceu 36 kgs por conta própria em 7 meses. Ela fez uma espécie de RA que deu na cabeça dela, não é isso que quero mostrar com a reportagem, quero mostrar que eu também posso e VOU!
Obrigada à todas pelo apoio e compreensão, e principalmente por acreditarem em mim.
:)




segunda-feira, 6 de abril de 2009

Casualmente decepcionante...

Sábado estávamos eu,minha mãe e a ‘B’ em casa, e resolvemos ir tomar um milkshake no shopping. Ok. Vou pegar o pequeno, penso. Tudo certo, chegamos no shopping, comprei um livro (O vendedor de sonhos, de Augusto Cury), compramos o milkshake e pegamos o caminho da porta. Quando estou saindo da praça de alimentação enxergo um homem, eu tenho certeza que o conheço, e percebi que ele me reconheceu, pois olhou bem nos meus olhos até eu desviar. Quem é esse cara mesmo? Daí me lembro: Professor Cristiano.
Fui reprovada na matéria dele-matemática- (não só na dele =P) no 1º ano, em 2005. Apesar de não nos darmos muito bem porque eu não entendia, só conversava e mosqueava e não estudava nada, ele as vezes era legal comigo. Falava que eu tinha estilo, não seguia modinhas e tal.
Daí em 2006, me mandaram pra uma turma com professores diferentes, então não tive de repetir o ano com o prof Cristiano. Mas um dia encontrei ele no corredor e ele parou pra falar comigo, e esfreguei na cara dele a minha ótima nota em matemática.
Quando ele ia saindo ele disse:
-Boa sorte. Quer dizer, tu é uma pessoa que não precisa de sorte.
Me senti bem naquele momento. Seria eu inteligente no conceito dele?


Mas sábado no shopping me fez tão mal encarar o olhar dele. Eu lá, gorda, toda ferrada, com mais de 100kgs, com um milkshake na mão, tenho certeza que ele pensou foi coisa ruim.
Sendo que eu poderia estar magra, fazendo faculdade, trabalhando quem sabe, enfim, eu poderia ter progredido. Decepciono a mim mesma a cada dia que termino, quando vejo que não fiz nada do que eu queria. E decepciono aos outros também, que de certa forma acreditavam em mim.

domingo, 5 de abril de 2009

As incessantes confusões da minha vida II

Ahh Mas é claro que tinha que sobrar pra mim!
Lembram da tia Tere, a chata citada no último post?
Então... minha vó se queixou de mim pra ela. Disse que outro dia de tarde ela estava com dor e com eu estava dormindo, ela nem pediu um remédio. Detalhe: Ela sempre me chama quando eu to dormindo, pra ajudar ela a descer um degrau,sempre.

A tia Tere por sua vez, que só faz deprimir a minha vó, e quase nunca vem aqui, disse que está esperando eu fazer 18 anos pra me dar uma surra. Sei que ela é covarde e não vai fazer nada, mas caso ela tente qualquer coisa, estou preparada. Ela vai sentir dor, mas serão dores de palavras, caso tente qualquer coisa contra mim. Ela é tão covarde que falou isso pra 'B', que tem 12 anos. Ela é de falar pelas costas mesmo, por isso nem vou ficar empolgada (porque realmente a ideia de falar tudo que ta intalado aqui na garganta pra ela, é muito boa!), sei que ela é covarde e não vai me encarar e falar na cara, mas se vier, estou pronta.

Depois de meses de compulsão atrás de compulsão, detectei pelas minhas roupas, pelos meus braços e etc, que devo ter é passado dos 100kgs... E a coragem pra ver isso na balança? E o medo de vir aqui e contar? A vergonha... O medo de perder vocês por ser uma obesa fracassada...


Pra quem me conhece há pouco tempo: Já pesei 113kgs, emagreci com remédios e blablabla, mas tenho o dom de engordar tudo de novo.
Me perdoem. Espero que meu corpo me perdoe.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

As incessantes confusões da minha vida

Lembram do post onde eu comentei sobre a minha vó? A falta de conversa, quando eu fico com ela só sabe falar de tv e dos outros, nunca quer saber de mim.
É triste morar com uma pessoa e não ter diálogo. Com a minha mãe é e sempre foi diferente, conto quase tudo pra ela e conversamos sobre tudo, desde as besteiras corriqueiras até assuntos sérios. Queria que fosse assim com a minha avó.

Pois bem, tava cansada dele ficar me contando todos os dias os sucessos da minha prima C. (aquela detestável). Hoje a C. comprou o carro dela, hoje a C começou no novo trabalho (que novamente, o namorado conseguir pra ela), hoje a C fez isso, hoje a C tem teste da auto-escola... blablabla
Esses dias quando fui lá, fiz um esforço e fui sentar com a minha vó ela me diz:
-Hoje a C tem aula até as...
-Mas que merda! Para de ficar me contando coisas dela, eu não quero saber da vida dela!
Notei na hora que a minha vó não gostou, mas ficou quieta.

É claro que isso não poderia ficar só nessas...
Recebi meu troco.

Nessa última tarde minha mãe havia saído e eu não quis ir junto pra ficar com a minha cadelinha que tá doente(não a que estava na semana passada, agora a filha dela, de quase 4 meses está ruinzinha, mas vai melhorar, euseiquevai). Enfim...
Mas minha mãe pediu, pediu, encheu, encheu, disse que queria que eu fosse no supermercado com ela e blablabla, daí combinamos que depois que ela fosse no banco, fizesse oque tinha que fazer, ela passava em casa e a gente ia.
Antes de sair, fui dizer pra minha vó:
-A joice (cachorrinha), está dormindo ali na sala, ela tá mau vó. Se a tia Tere (mãe da C) vier, não deixa ela ir incomodar ela, POR FAVOR.

De repente minha vó começou a chorar, dizendo que as minhas tias que eu tanto odeio e falo mal são filhas dela, e que ninguém vai lá em casa visitar ela, que ficar velha é triste, e eu vou ver -'isso eu te garanto'- foi o que ela me disse, que eu vou ver como é triste ficar velha, sentir-se inútil.
-O problema não é ficar velha vó, o problema é quando todo mundo à sua volta vira um bando de traíra.

Obviamente chorei, primeiro por ter feito a minha vó chorar, mas depois me veio um turbilhão de coisas na mente, comecei a lembrar...
Minhas tias sempre tiveram mais importância pra ela do que eu.
Mas quem troca fraldas de uma senhora desde os 11 anos de idade?
Quem veste roupas em uma senhora desde os 11 anos de idade?!
Enquanto essas filhas e filhos que ela tanto faz questão, estavam por aí curtindo a vida, bem escondidos da vovó aqui.

Quando minha mãe veio me buscar pra ir no mercado não aguentei e chorei de novo dentro do carro, acabei contando pra ela. Chorei tanto que de repente comecei a passar mal,minha cabeça parecia que ia explodir, eu quase vomitei no carro, minhas pernas estavam bambas.
Antes de fazer as compras decidimos parar na praça de alimentação. Chorei novamente lá e vi o olhar do guarda do supermercado, provavelmente pensando quem era a doida.

Quero apenas melhorar as coisas aqui...