sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Saudade!!!

Finalmente arrumei meu pc. Senti tanto a falta de vocês!!!
Lerei todas, com calma, mas lerei.

Então...
Como disse, consegui o emprego que eu sempre quis, estou trabalhando em uma livraria, tem um café lá também, estou amando! Consegui trocar meu horário, saio duas horas mais cedo agora.
To muito feliz no momento, ah, nem dá pra escrever muito e e ficar discorrendo.
O pessoal é super legal, com exceção de uma colega, que não vai me atrapalhar,obviamente.

Quero agradecer o apoio da Miley, Ana Paula, Lia, Bunny, Camila e todas mais que me apoiaram enquanto eu estava aflita. Aliás, a Camila já foi me visitar no trabalho. AMEI!!!

Tenho Deus, vocês, minha família e meu emprego.
Sou muito grata.

Agora finalmente talvez, possa começar uma academia, mesmo que seja fazendo yoga.
:D

AMO VOCÊS DEMAIS!!!



segunda-feira, 16 de novembro de 2009

os dados rolam...

RESUMINDO:
Meu pc estragou, to numa lan house, consegui o emprego dos meus sonhos, as compulsões diminuiram, mas graças a cracolândia q tem onde eu tenho que pegar o ônibs que vem pro meu bairro (meu horário é das 17-23) pedi transferência de horário, depois de voltar pra casa chorando ao ver um cara imobilizado por um assaltane de merda... A gerente não sabe se vai conseguir isso, ela disse q vai ver oq pode fazer. Eu não volto mais por aquele lugar, se eu saísse no hoário intermediário, 21 hrs, eu conseguiria voltar de trem, que é muito mais segu. Mas Deus ta comigo.

esse teclado da lan house é uma droga, volto assim que meu pc tiver sido consertado, com boas novas, eu espero.

AMO VOCÊS, E VOCÊS NÃO FAZEM IDEIA DE O QUANTO FIZERAM FALTA NESSE MOMENTO DE ALEGRIAS E PRESSÕES.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Mas se você achar que eu tô derrotado, saiba que ainda estão rolando os dados

Porque o tempo, o tempo não para.
(Cazuza)

Hoje por um momento, ou por algumas horas, tudo desmoronou.
Mês passado eu fiz um concurso, não passei. Até aí tudo ok, no news. Mas eu soube que duas primas minhas fizeram, e de curiosa, resolvi procurar se um delas passou... E adivinhem. Uma das meninas inteligentes e universitárias dessa porra de parentada passou (sim, porque eu me recuso a chamar qualquer pessoa que não seja minha mãe, a B. ou a minha vó de família). Já vi tudo. Como a minha mãe cometeu o deslize de contar pra minha tia/madrinha que eu iria fazer o concurso, e ela contou pro marido dela, que comentou na frente da minha tia que contou pra todo resto que eu iria fazer, pronto, eu sei o que vai acontecer. Ou melhor, o que provavelmente aconteceria. Os parentes iriam fazer comparações, me perguntar se eu passei, me olhar com lamento, e comentar que a prima fulana passou, e esse assunto se alastraria por hora, com eu rindo e cerrando os dentes de raiva, vergonha e sei lá mais o que. Mais isso não vai acontecer. Por que? Vou me isolar de todos nas próximas semanas. Não vou visitar minha vó, não vou dar oportunidade à minha tia da frente quando eu estiver saindo de casa e encontrar com ela, estarei sempre com pressa. Se alguém me chamar quando eu estiver sozinha, não respondo, para todos os fins eu estava dormindo. Porra, a última vez que isso aconteceu, de comparação entre eu e as minhas primas, eu ouvi conselhos de que deveria seguir uma rotina parecida com a da prima X porque ela era magra e etc.
TODOS TOMEM NO CU!
VÃO TOMAR NO CU E NÃO METAM-SE MAIS NA MINHA VIDA.




E como diz a música do Cazuza, AINDA ESTÃO ROLANDO OS DADOS, e eu já me abalei o suficiente. Comi chocolate, , quebrei uma caneta, um lápis e uma hidrocor, derramei algumas poucas lágrimas, pedi pra minha mãe me deixar sozinha e blábláblá...
AGORA CHEGA DE CHURUMELA E LAMENTAÇÃO.
Preciso escovar meus dentes, tomar banho, dar um jeito nesse meu cabelo, fazer uns exercícios, tentar a sério uma dieta, sem o fator preguiça comentado no post passado. Preciso tomar um sol também, me achei meio ‘cor de doente’ no espelho, e a minha pele que antes era bonita está meio sem vida. Já comprei frutas e legumes pra ajudar, e claro, protetor solar.
Estou plantando flores e alguns frutos, montando um bonito jardim, mas isso fica pra um próximo post.

ABRAÇOS!

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Hells Bells


Não sei em que ponto estou, ou de onde vem essa má vontade que se transforma em tristeza no decorrer do dia. Não posso dizer que sou uma pessoa deprimida, porque eu rio em muitos momentos, assistindo um filme, brincando com meus cachorros, conversando com a minha mãe ou com a B.-minha praticamente irmã-, e até mesmo vendo minhas plantas crescerem. Eu sorrio, e mais do que isso, eu dou risada, alto às vezes, gargalhadas sonoras.
Mas o que dizer da pessoa que eu sou quando eu enfio uma lâmina na pele? Ou quando simplesmente deito e choro. Ou quando estou comendo um pote de sorvete, sem sentir o gosto, pensando apenas em todo o mal que ele faz, mas sem conseguir parar de fazer o movimento de colocar a colher no pote e na boca, no pote e na boca.
O que é isso no teu pulso?
Me machuquei ali...
Como?
Colhendo limões.

Rapidamente troquei de assunto. Uns dias depois acordo com a minha mãe passando o dedo na ferida maior e mais funda do meu braço, certamente ao ver os outros riscos mais discretos que tinham em baixo daquele rombo na pele ela percebeu que não colhi limões. E deve ter ficado triste, por minha culpa, minha culpa. Mas ela não falou nada, felizmente. Apenas disse: Vamos levantando, o almoço (ou café?) está na mesa.

Outro dia tivemos um desses dias felizes, quentes, mas felizes. Experimentei uma peruca rosa na fila das lojas Americanas, e ela retratou o momento com o celular. Eu tinha feito um lf no dia anterior, achei que estava retomando o controle, me sentia mais leve na alma, mas depois desse dia, voltaram as compulsões, e aquela calça não fechou mais. Naquele mesmo dia compramos um globo de natal lindo, que toca uma música natalina-obviamente- linda. Minha mãe esse ano está animada com essa coisa toda, acho sinceramente que ela se sentiu mal pelas palavras ditas sobre natal ano passado. E retrasado, e enfim... Mas se ela está feliz, já é um bom começo pra mim, porque cara, eu realmente amo minha mãe.

Minha vó passou um dia e meio aqui, quis voltar, disse que já se acostumou a nova casa, onde ela é melhor tratada, melhor alimentada, melhor cuidada. Ela disse para eu não me preocupar, eu não tinha feito nada errado, nada de ruim pra ela, mas basta ver os arquivos desse blog e ver ALGUMAS das discussões e momentos cheios de brigas e tensão que eu tive com ela.

Fora isso, estou desanimada, mas como disse, dou risada, tenho momentos onde não sinto essa pressão na mente, no peito, na garganta e nos olhos.
Acho que sou só uma pessoa que não sabe lidar com as adversidades. Nada que não possa ser trabalhado. E também acho que no fundo sou uma enorme preguiçosa, que inconscientemente vê alguma vantagem em ficar em casa gorda, comendo e comendo. Algo do tipo: ‘ahhh da tanto trabalho lutar...’ Tanto é que todas as vezes em que emagreci tive ajuda de remédios.

Eu realmente me perdi um pouco.