terça-feira, 3 de novembro de 2009

Hells Bells


Não sei em que ponto estou, ou de onde vem essa má vontade que se transforma em tristeza no decorrer do dia. Não posso dizer que sou uma pessoa deprimida, porque eu rio em muitos momentos, assistindo um filme, brincando com meus cachorros, conversando com a minha mãe ou com a B.-minha praticamente irmã-, e até mesmo vendo minhas plantas crescerem. Eu sorrio, e mais do que isso, eu dou risada, alto às vezes, gargalhadas sonoras.
Mas o que dizer da pessoa que eu sou quando eu enfio uma lâmina na pele? Ou quando simplesmente deito e choro. Ou quando estou comendo um pote de sorvete, sem sentir o gosto, pensando apenas em todo o mal que ele faz, mas sem conseguir parar de fazer o movimento de colocar a colher no pote e na boca, no pote e na boca.
O que é isso no teu pulso?
Me machuquei ali...
Como?
Colhendo limões.

Rapidamente troquei de assunto. Uns dias depois acordo com a minha mãe passando o dedo na ferida maior e mais funda do meu braço, certamente ao ver os outros riscos mais discretos que tinham em baixo daquele rombo na pele ela percebeu que não colhi limões. E deve ter ficado triste, por minha culpa, minha culpa. Mas ela não falou nada, felizmente. Apenas disse: Vamos levantando, o almoço (ou café?) está na mesa.

Outro dia tivemos um desses dias felizes, quentes, mas felizes. Experimentei uma peruca rosa na fila das lojas Americanas, e ela retratou o momento com o celular. Eu tinha feito um lf no dia anterior, achei que estava retomando o controle, me sentia mais leve na alma, mas depois desse dia, voltaram as compulsões, e aquela calça não fechou mais. Naquele mesmo dia compramos um globo de natal lindo, que toca uma música natalina-obviamente- linda. Minha mãe esse ano está animada com essa coisa toda, acho sinceramente que ela se sentiu mal pelas palavras ditas sobre natal ano passado. E retrasado, e enfim... Mas se ela está feliz, já é um bom começo pra mim, porque cara, eu realmente amo minha mãe.

Minha vó passou um dia e meio aqui, quis voltar, disse que já se acostumou a nova casa, onde ela é melhor tratada, melhor alimentada, melhor cuidada. Ela disse para eu não me preocupar, eu não tinha feito nada errado, nada de ruim pra ela, mas basta ver os arquivos desse blog e ver ALGUMAS das discussões e momentos cheios de brigas e tensão que eu tive com ela.

Fora isso, estou desanimada, mas como disse, dou risada, tenho momentos onde não sinto essa pressão na mente, no peito, na garganta e nos olhos.
Acho que sou só uma pessoa que não sabe lidar com as adversidades. Nada que não possa ser trabalhado. E também acho que no fundo sou uma enorme preguiçosa, que inconscientemente vê alguma vantagem em ficar em casa gorda, comendo e comendo. Algo do tipo: ‘ahhh da tanto trabalho lutar...’ Tanto é que todas as vezes em que emagreci tive ajuda de remédios.

Eu realmente me perdi um pouco.




8 comentários:

Spartano disse...

Marcy
Acredito que todo mundo se perde um pouco, todo mundo se pergunta, quem sou eu.
E acredite vc sorrindo é a mesma pessoa que quando esta chorando ou sangrando. Ninguem consegue ter o mesmo humor o dia inteiro, ou ser sempre simpatico, como eu tinha dito uma vez para uma amiga, se vc for sempre simpatica, sempre atenciosa com todo mundo sem excessão uma hora ou outra vc vai acabar explodindo com quem não deve.
Todos temos momentos em que ficamos sozinhos e fazemos algo, comer, se cortar, chorar, etc.
Se nao fizermos isso explodimos. algumas coisas sabemos que nos fazem mal. mas sem isso nao tem como seguir em frente.

Andy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Andy disse...

Oh amor...não gosto de te ver assim...sempre tão triste...e dói-me quando leio que te cortas...isso me dá arrepios...
Compulsões...é. Eu devo ter algum tipo de "sorte". Como mesmo muito nestes ataques dia sim, dia não(cerca de 5000kcal ou mais sem exagero) e me admiro por nunca ter passado dos 60...devia aproveitar o facto de ter um metabolismo "santo" neste caso, mas quando começo...é muito difícil parar de comer...
Ai estes transtornos alimentares são esgotantes mesmo...
Arrasam com qualquer um, mas tu Marcy, em especial, estás tanto sem esperança...isso dói pois és uma maravilhosa pessoa que tudo de bom merece...
Anseio por notar alegria nas tuas palavras...
Quero que sejas feliz e tu vais lutar por isso!!
E aquilo de fazer teatro?
Beijos querida, fica bem, te adoro :**

Miss Ninnive (♥) disse...

olá linda! bom ler nova postagem sua e senti mt sinceridade nela. Que bom que vc ainda consegue sorrir com as pequenas coisas! Isso é mt bom! O negócio fica feio quando a gente não acha graça em mais nada. Porque a felicidade não é algo que é alcançado e depois disso não há mais tristeza. Tristeza e felicidade andam juntas. Vc tem tido momentos de ambas. Espero que esse clima de natal da sua mae te contagie. Afinal, é uma coisa boa.

Desejo tudo de bom! beijinhos =*

camila, camila disse...

sempre venho aqui te ler mas faz tempo q nao comento, so q esse post me motivou a faze-lo... acho q sabemos exatamente onde pecamos e ai ficamos nos culpando por isso, mas nao agimos para mudar. sempre q tenho aulas chatas, trabalhos chatos, coisas chatas a fazer, tenho vontade de ir pra casa dormir e esquecer das obrigaçoes q me aborrecem. mas eu sei q se fizer isso, estarei desperdiçando a chance de chegar a algum lugar, de ser alguem na vida. é foda ter essa responsabilidade de ter obrigaçao de fazer algo por si mesma, mas é assim, se nao fizermos, ninguem fara. entao o q nos cabe e deixar de lado o q SENTIMOS e agir de acordo com o q PENSAMOS: no nosso futuro, no q podemos ter e ser. força ai marcy e conte sempre com essa amiga maluca aqui q te adora :) bjuss

Gabi Antonelli disse...

Pois é, dona Preguiça, eu já disse também que vc tem que gostar mais de vc mesma. Eu também morro de vontade toda vez que vou no supermercado e vejo aqueles potes de sorvete. Daqui a 2 meses vou perder minha bolsa de estágio, vou passar por eles e não vou ter dinheiro pra comprar, o que vai me frustar mais ainda. Mas o que importa é que eu passo por eles agora, olho, me imagino sentada no sofá tomando direto no pote com uma colher de sopa bem grande, mas em seguida desisto porque sei que isso não vai fazer bem pra minha saúde MENTAL, principalmente.

Vc vai conseguir enxergar isso também, cedo ou tarde. Esses cortes só te deixam mais melancólica. Pare com eles.


Te amo.

Cristal* disse...

Se te perdeste vais de certo encontrar um caminho, vais ver que dos erros e preguiça de ontem amanha se torna alguém que já não o repete, que não se acomoda com o desistir porque é fácil.
Não te cortes, não vale a pena deixar marcas ruins em nós que não sirvam de lição e dessas não aprendes lição nenhuma, além de fazeres triste quem te ama.
tenta controlar.te por um pouco mais tempo
baci*

Em busca do corpo perfeito** disse...

Você acaba de descrever oke eu passo, ou talvez, que todas nós passamos...
Momentos felizes e derrepente aquela amargura te faz lembrar q aquele momento feliz vai acabar e quando vê, jah acabou...
eh preciso ser forte e saber suportar os altos e baixos de nossa vidah, saber q como os momentos bons, os ruins tbm passam...
bjoos
boa sorte!