domingo, 27 de junho de 2010

Da série língua solta.

Tem coisas que nós poderíamos optar por esquecer, conversas que poderíamos deletar, apertar um botão qualquer no cérebro, ou no coração.
Palavras que eu ouvi e disse, nunca deveria ter permitido, nunca deveria ter entrado naquela dieta na quarta-feira, nunca deveria ter desistido na quinta e tido aquela conversa, e nunca deveria ter permitido que ela desabafasse também, não sei se as coisas serão as mesmas novamente depois de alguns segredos terem saído de suas tumbas.


sexta-feira, 25 de junho de 2010

Eu odeio dietas tanto quanto odeio compulsões...

Desde já peço desculpas pela sinceridade do post...


As vezes eu me irrito mesmo, e como me irrito, com aquelas pessoas que dizem: “Poxa vida, fulano me disse que eu estou muito magra, mentira porque eu to gorda, uma porca. Depois mais 25 mil pessoas disseram que eu to magra demais, poxa, elas precisam de óculos, será que eles não notam que eu sou uma vaca?” Ninguém precisa vir me explicar o que é anorexia, porque eu sei que a pessoa se enxerga gorda e tal, mas não posso ficar alheia a isso. Também é um pouco de amargura, porque isso despertou quando uma colega disse: “Vamos perder esse pneuzinho na barriga dona Marcy!”
Há cerca de seis meses o que mais me importava e me ocupava era, exatamente nessa ordem, as compulsões, as dietas e a tentativa de uma vida. Agora eu estou vivendo a minha vida, e em segundo plano estão as dietas e as compulsões. Se eu quero ser magra? COMO QUERO!

Mas deixe-lhes contar... Eis que resolvi tomar diet shake com uma outra colega (que pra variar é magra), além daquela merda ser horrível, só servir pra me mostrar que eu não caso bem com esses radicalismos. Eu preciso mesmo é me alimentar, e isso não quer dizer comer pão de queijo, bolo e esse tipo de coisa gordurosa. Talvez eu deva mesmo me render a tão odiada por uns e aclamada por outros, a famosa reeducação alimentar.


Quanto mais eu penso em dietas, quanto mais eu tento dietas, quanto mais eu tenho compulsão.

Pensei em um plano, primeiro eu vou reduzir a uma vez por semana todas as porcarias que eu como diariamente, como uma fatia de torta da confeitaria maravilhosa, o pão de queijo da mesma confeitaria, batata frita então, não por um bom tempo, qualquer fritura não por um bom tempo. Agora, meu maior problema... Como me livrar da Coca-Cola? Detesto a zero, agora a normal...

Enfim, como diria Conrado, eu só me fodo nessa merda.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

YEAH!


Garotas, eu juro, tenho tanta saudade de vocês, não passa um dia sem que eu lembre deste canto tão amado, meio abandonado, mas amado.

Tenho duas boas notícias. A primeira, é que descobri que meu pavor de festas e companhias era devido ao fato de, por volta dos treze anos, ainda uma adolescente, eu ter ido numa dessas festas com a pessoa errada, com uma prima que na época era uma vadiazinha que me deixou de canto, e não com amigos. Foi muuuuuuuuito legal ter ido em uma festa com o pessoal, além de ter sido demais, o ambiente, a galera, todo mundo junto, eu consegui me soltar, e depois o pessoal que ia embora junto de táxi ficou esperando na porta do lugar a minha mãe chegar pra me buscar. Sim, afinal, eu moro em outra cidade. Depois disso, fui em outra festa, uma roubada tremenda com uma colega, o lugar era péssimo, só tinha pirralhada, mas no final nós rimos muito de tudo isso, ao final, outro trauma superado: Dormir fora de casa. Dormi na casa da minha colega, mais um passo a frente. Ter ido nessa festa com a galera foi uma das melhores coisas que eu fiz por mim nos últimos tempos, virei uma página e deixei certas paranóias lá em um capítulo distante.

Outra coisa! Lá na livraria onde trabalho nós temos uma avaliação de um cliente misterioso, é uma avaliação idiota, onde temos que oferecer coisas bizarras- normalmente as caixas não ganham porque não oferecemos as tais coisas bizarras- dessa vez, adivinhem quem ganhou? Eu! Hahahaha Apesar de ser uma avaliação tola, eu coloquei na minha cabeça que iria ganhar o tal broche dessa vez, fiquei feliz por mim, pela minha gerente e pela nossa equipe. Eu estava tão decidida que tive o dobre de segurança sobre mim mesma do que costumo ter, falei pra minha gerente: “Deixa comigo!”, e felizmente cumpri minha palavra. Agora que eu já me ambientei lá, estou mais segura, não sou mais a iniciante no primeiro emprego, criei certas ambições, quero crescer como profissional lá dentro, quero mostrar o meu melhor e ganhar o melhor. Adoro a minha gerente e meus colegas são pessoas agradáveis por demais.

Como está a alimentação? Ando dando umas bobeadas, to comendo muita besteirinha, ficando com uns cravos que antes não existiam, mas pra tudo tem um jeito. Preciso cuidar de dentro pra fora.

Abração!

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Nem todos os poemas precisam de rima. A vida não precisa ser toda certinha.


Você agora é novidade para Você
Você é mudança
Metamorfose
O gosto da admiração é agridoce
Você tem receio
A confiança é uma eterna corda bamba
A alma respira novos ares
Você já se puniu
Agora merece uma chance
Você quer se conhecer melhor
Você quer Se amar
Amar
Ser amada
Um gesto, algumas palavras
Doces, gostosas
O frio
O medo
O calor
A vontade


É que eu não consigo me explicar direito...

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Mudança retroativa, um velho hábito que (re)aparece


Postei ontem de manhã, eu estava bem, estava feliz, iria ao parque com as colegas a parte da tarde, tudo seria lindo e maravilhoso. Não fosse o fato de começar a me dar um aperto, um desespero, um pavor de sair de casa, coisa que eu não sentia, digamos assim, há muito tempo. Resultado: Não fui, e o pior: Mandei sms pra pessoa que pra mim era mais importante encontrar lá, avisei que não iria e pedi desculpas. Adivinhem... O último número estava errado, mandei sms sei lá pra quem e a pessoa ficou lá. Como eu não atendi meu celular nenhuma vez que ele tocou lá, recebi a seguinte mensagem no orkut: “Como tu queria me encontrar lá se tu não atendeu o celular?????????” Pedi desculpas, ela disse que isso acontece, mas sei que vai demorar muito pra aceitar outro convite desses. Que merda. Outro pior: Como 5 torradas (ou misto quente, como é chamado na maioria dos lugares do país) isso quer dizer que comi 10 fatias de pão, 5 fatias de queijo gordo, 3 fatias de apresentado e muuuuita maionese com margarina. Uma dessas fazia tempo que eu não tinha.

Enfim, não sei porque estou assim, talvez a TPM ajude, mas e todo o resto? Que tristeza é essa? Que vazio é esse? Que medo é esse?
Engraçado o fato de eu me sentir prisioneira dentro da minha própria casa. Quando saio pra trabalhar, ok, sem medos ou pavores, agora quando saio pra me divertir, ou melhor quando planejo e não consigo sair, me dá um pavor, uma sensação de culpa, consciência pesada, como se eu estivesse fazendo algo errado, como se eu devesse ficar apenas em casa, me matando mais um pouquinho.Como se fosse errado deixar a minha mãe ou a Be aqui, enquanto eu estarei lá fora me divertindo, tomando um vinho, um chimarrão e jogando conversa fora. Estraguei o dia de todo mundo, o meu, o do pessoal aqui de casa e o da F. que ficou ligando pra saber onde nos encontrar ao certo.
Sabe aquele papo de que me sinto um lixo desprezível? Pois é...


quinta-feira, 3 de junho de 2010

Selinho, notícias, que mais mesmo?



Estou sumida, estou feliz, estou tensa, estou com saudades, estou viva!

Deixe-lhes contar algo que aconteceu nessa última semana. Tenho uma colega que começou com umas brincadeiras, há mais de dois meses ela fica dizendo: “ A Marcy é a mocinha da loja.” “Ah, a Marcy diz isso porque é uma virgenzinha.” Semana passada passou e muito dos limites, quando ela disse, nos seguintes termos: “Tu está louca pra dar.” E um nojento “Tu ta no cio.” Pera lá! Eu não sou uma cadela e nem estou louca pra dar. Enfim, chorei lá com o pessoal do dia, e quando ela chegou de noite tive uma conversa com ela, disse que ela já tinha passado do limite da brincadeira e que isso já estava no ponto da humilhação. Ela pediu desculpas, eu aceitei e acabou a brincadeira, mas eu não consigo mais gostar dela como gostava dela antes, peguei nojo. Todo mundo adora ela, eu não. Uma pessoa que precisa humilhar os outros pra poder se divertir me dá pena.

Dia 15/07 tem show de um projeto musical que eu amooo, o Pouca Vogal (vídeozinho no final do post), já comprei o ingresso!!!! To muito feliz com isso.






Ganhei um selinho da Ana Paula, da PsicoAna e da Lady Psychosis.
1) Indicar 7 blogs.
2) dizer fatos inesperados sobre mim.


*Desde criança sempre tinha paixonites pelos garotos mais velhos, hoje, me interesso muito mais por homens mais velhos.

*Agora que parei de roer unhas, me sinto mais confiante quando elas estão pintadas com cores escuras.

*Quando era criança queria ter cabelo liso, hoje não troco meus cachos por liso nenhum.

*Me sinto confortável bebendo uma boa xícara de café em frente a tv, ao computador ou mesmo na cama.

*Meu sonho é ter uma rede dentro de casa.

*Fiz xixi na cama até os treze anos de idade.Parei de fazer quando comecei a emagrecer, tomando um remédio- receitado pelo médico- depois engordei tudo de novo, felizmente o hábito involuntário noturno ficou para trás.

*Ano passado um morcego entrou na minha casa, me tranquei em um cômodo e fiquei ligando pra minha mãe, que estava no quarto ao lado.

Como fui umas das últimas a fazer o meme, passo ele pra quem não tiver respondido ainda. –Inclusive você que leu isso agora e não fez, e pensou ‘ah não vou fazer...’!