domingo, 20 de novembro de 2011

Enquanto isso na cafeteria da faculdade...

Começamos o mesmo curso no semestre passado e nunca fomos muito próximas, ao contrário, ficávamos pouco a vontade uma com a outra. Eu, na maioria das vezes agitada, cheia de ideias, planos e conversas. Ela sempre calada, dizendo que achava estranho pessoas que nem eu que começavam a cantarolar alto em público.

No começo desse semestre lá estava eu, sentada naquele banco com os fones, ouvindo Smiths quando ela chegou, e pra quebrar o gelo cantei um pedaço da música, e foi aí que começamos a conversar mais, porque ela também gosta muito dessa banda que encanta tímidos, desastrados, frustados, realistas e deprimidos. Cerca de dois meses depois, na semana passada, esse diálogo:

-Essa dor nas costas que não passa. Tomo o analgésico mas nem adianta mais. Às vezes quando a dor fica forte assim eu penso besteiras...

-Como o que?

-Ah sei lá...

Silêncio.

-Bom.. Ah Marcy, acho que contigo posso falar disso.

-Como assim?

Ela aponta para o meu braço.

-Quando a dor fica muito forte, eu penso que uma outra dor pode aliviar a dor que eu sinto. E sabe, eu estou te falando isso porque sei que tu não vai me julgar...

-É, acho que tu já percebeu que eu não sou ninguém pra julgar.

-Por isso que quando o pessoal fica falando que tu faz essas coisas eu nem falo nado, porque só quem passa por isso entende.

E ficamos ali, conversando uns dez minutos sobre isso. Há duas ou três semanas uma colega segurou meu braço e perguntou sobre, e agora sou alvo de olhares discretos para o meu braço, que anda mais escondido. Saí em lojas a procura de pulseiras e munhequeiras. Não, não é um estilo, é covardia.

E sabe o que é pior? Eu sei que vai acontecer de novo, porque essa é a válvula que diminui o peso da minha culpa.


Quantas vezes a palavra dor apareceu nesse post? É algo presente nos últimos tempos.

11 comentários:

voadora disse...

Adoro ler suas postagens!

Betty Calories disse...

Por um lado é bom ter pessoas que não nos julguem, mas os olhares devem deixar-te super desconfortável.
Beijinhos!

camila, camila disse...

diminui a culpa? achei q fosse o contrário, já que provoca mais dor e marcas... realmente, não entendo tudo isso, mas acredito que o melhor seja pensar racionalmente, não se deixando levar por um vontade momentânea que trará as consequências q já tá cansada de saber. não é fácil, minha amiga, mas é mais uma coisa q só tu pode querer deixar pra trás. torço por ti, sempre. bjuss

Daay disse...

Ain, flor, desculpa a demora para retribuir sua visita no meu blog, mas eu estive fora uns dias, tava meio down, e se num fosse uma amiga tmb provavelmente nem voltaria mais pro blog. Sabe, as vezes a gente encontra as pessoas certas no momento errado, sabe você não ter tido uma ótima amizade desde o inicio não significa que nunca vai ter. É só saber esperar, é como dizem: 'as pessoas entram em nossa vida por acaso, mas não é por acaso que elas permanecem'. Entende onde eu quis chegar?

bom o comentário tá assim bem relaxadinho pq já são 3 da manhã, acho que to com um pouquinho de sono, mas enfim, passando mesmo pra desejar um ótimo inicio de semana pra você ;)

já te relacionei no meus favoritos e quando meu friend connect resolver funcionar eu clico alí em em seguir ;)

beijinhos

Rascunhos do Presente disse...

todo mundo tem uma válvula
de escape, ninguem pode julgar
as escolhar de ngm. E tem gente
que ainda não entendeu isso!

Mariana disse...

"Sing to me
I don't want to wake up
On my own anymore
Don't feel bad for me
I want you to know
Deep in the cell of my heart
I really want to go"
(Asleep)
...
Às vezes, onde menos esperamos é onde mais encontramos -caso da sua amiga-.
Se a maioria dos nossos colegas compreendesse mais e questionasse menos, talvez a gente conseguisse dar as respostas que eles tanto buscam sobre as nossas cicatrizes. Vou te contar que eu odeio, odeio mesmo pessoas indiscretas no que tange aos cortes. Incrível como eu já passei vergonha por causa disso. Agora eles não são feitos mais nos braços, afinal, aí não dá para esconder sempre e o estrago vinha sendo muito maior nesses últimos dias.
No fim das contas, não tenho capacidade para falar muito sobre isso, Marcy. Nem para aconselhar nada. A única coisa que posso afirmar categoricamente é que eu sei bem como a coisa funciona. E sei que não traz nenhum retorno a longo prazo, por isso, seria melhor se não o fizéssemos mais.
Porém, você resumiu tudo por todas nós, né? "E sabe o que é pior? Eu sei que vai acontecer de novo, porque essa é a válvula que diminui o peso da minha culpa".
Ah, e Smiths é muito bom. Não fosse uns discretos inconvenientes que eu acho sobre a banda, estaria entre o topo das minhas prediletas.
Lembre-se da continuação da canção:

"...There is another world
There is a better world
Well, there must be
Well, there must be"
(Asleep-The Smiths)

Estaremos longe dos cortes quando este mundo materializar-se para nós. Se é que esta droga de mundo um dia vai realizar-se mesmo...

Srtª Vihh disse...

Válvula de escape, quem pode julgar nossas maneiras de diminuir a dor?
Marcy, sempre torcendo para de tudo certo pra vc, querida.

Since Alice disse...

Marcy, não captei muito bem o lance do braço. Andou se cortando? Bem, eu fiz muito isso, pra mim era como miar, aliviava.. mas só na hora.

A gente tem que dar oportunidade as pessoas, dá pra se surpreeender tanto.. eu que o diga.

Sei que não tenho conseguido voltar como postei no twiter, voltar de verdade sabe. É que as coisa andam e desandam, mas estou tentando.

Aiii... amanhã viajo e estou sei lá, com uma ponta de medo, nunca fui muito chegada a praia, só sei que ouvir o mar me dá paz.

Beijos

Boo disse...

tbm acho que ngm deve fulgar ngm.. mas quando vc for se cortar pensa nas marcas que vai ficar depois, eu nunca me cortei, mais uma vez li que uma menina ao pra nao se cortar, ela andava com aqueles elasticos de dinheiro no pulso, dai quando dava vontade de se cortar, ela puxava-os bem forte..
bjos, bom fim de semana :*

Jєѕѕ ♥ disse...

Poxa que saudades! eu queria achar alguém proxima a mim, assim com os mesmo problemas.

Beijos.

Wing~ disse...

É uma válvula de escape que enche de cicatrizes. Já que não consegue parar, porque não faz na perna, na parte interna da coxa? Assim ninguém vê. Compre muchequeiras, eu usei muito até conseguir parar com isso. :/