quinta-feira, 31 de maio de 2012

Terceira pessoa

Voltou para casa com um pensamento diferente  naquele dia. Fora fraca, e deixara o seu lado mais obscuro tomar conta de sua vida. Sentia-se iludida por si mesma, e foi aí que decidiu que iria inverter as coisas. Nada de mudanças radicais ou planos. A partir de então, decidiu enganar os dias, o tempo e a vida. Não de forma maldosa, mas de forma defensiva. Era uma maneira de continuar em pé.   Iria se dar uma nova chance. “E seja o que for.” , pensou por fim.


quinta-feira, 24 de maio de 2012

Eu&Eu



Andei pensando, e percebi que há muito tempo venho nadando contra a corrente, e isso cansa. Tenho me cobrado demais, me punido demais, questionado demais. Preciso de um descanso, de um tempo das inquietações da minha mente. Mas como conseguir isso? Pode-se descansar o corpo, mas a mente nunca para. Percebi que o descanso que preciso é ocupação. Aquela que te deixa tão cansada que no momento em que você encosta a cabeça no travesseiro não aguenta mais pensar.
Trabalhar durante a madrugada me possibilita conseguir um segundo emprego durante o dia, ou quem sabe um curso. Depois sei lá... quem sabe o dia de amanhã?



terça-feira, 15 de maio de 2012

Como um jardim morto

Poucas vezes na vida me senti tão fraca, tão sozinha, tão triste. São coisas de momento, sempre são, até a felicidade é.
Minha mãe me falou algo que ela estava remoendo havia tempo, mas céus, como isso me magoou, e como me magoa mais ainda ver que ela nunca terá maturidade para assumir certos erros e responsabilidades. Essa mesma mãe, a única que eu tenho, tão diferente e tão igual a mim, a mãe que eu tanto amo está doente, se recusando a seguir um tratamento correto. Cá entre nós, somos só eu e ela agora, se eu a perder... bem, prefiro pensar que isso não vai acontecer agora. Ainda temos muita coisa para mudar, aprender e corrigir juntas. Me sinto tão hipócrita.
Não vejo um futuro para mim de qualquer forma. Meu desejo por lâminas voltou, minha fome passou e minha vida se escondeu.