quinta-feira, 21 de junho de 2012

Um tombo no caminho




Caí novamente, e caí feio. Lágrimas e sangue, em diferentes momentos, pareciam equiparar-se em intensidade e quantidade.Mas era como se de alguma forma eu precisasse daquilo. O sangue a cair representando o meu desespero, o meu tormento, e na manhã seguinte o choro desesperado, o arrependimento dos últimos meses transformado em lágrimas. Mas o arrependimento e o sangue não tinham ligação. As linhas que hoje são vermelhas e um dia serão quase imperceptíveis me farão lembrar da fraqueza, do desespero e do medo, que eu sei que sentirei muitas vezes ainda, como já senti em tantas outras.

Don Corleone diria que minha atitude foi lamentável, Clementine kruczynskin me entenderia e Holly Golightly sairia para afogar as mágoas comigo. No mundo real, tenho a impressão de que as pessoas jamais entenderiam.


sexta-feira, 8 de junho de 2012

Percepção

Li o trecho seguinte no blog da Camila.

"Percebi que tenho medo de mudar, porque não sei como é ser qualquer coisa diferente disso que tenho sido."
Quando li isso foi como se isso tivesse sido escrito pra mim, um daqueles tapas na cara, algo que eu talvez soubesse, mesmo que inconscientemente, mesmo não querendo saber que eu sabia.
Ontem uma amiga disse que se eu não mudar minha forma de agir eu vou continuar estagnada, e sei que isso é verdade. Sabe o que é triste nisso? A gente se acostuma com tudo, até com o que é ruim, porque daí nos habituamos a reclamar diariamente, a cantar nossas mágoas e dançar no ritmo da depressão. Mas definitivamente eu não quero e não vou ser só mais uma pessoa amargurada e frustrada nesse mundo. Pensei em tudo que eu deixei passar por medo, em todas as oportunidades que perdi por receio de ousar e nos arrependimentos por coisas que nunca aconteceram. Comparei isso com as poucas vezes em que, mesmo empurrada por alguém, encarei algum medo ou fiz algo diferente, e as expriências maravilhosas que eu acabei vivendo a partir destas pequenas ousadias. E vou te contar uma coisa... sabe qual meu maior medo? Enfrentar os meus medos!!!
Ainda não sei como trabalhar isso, mas acho que esse é o X da questão.