quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Campo de batalha

Minha mente está uma verdadeira trincheira. 
De um lado um batalhão lutando em favor da pessoa cansada de tanto se cobrar, querendo mais é esquecer toda essa neurose e viver a vida. 
Do outro lado um batalhão insistente luta para que o espelho continue a ser seu maior inimigo e a insegurança sua conselheira constante.
Há um certo empate na maior parte do tempo, mas também há momentos do dia em que um dos lados se abala ou perde um combatente.
As manhãs normalmente são neutras, no início da tarde o batalhão que luta pela vida sempre sai na frente. Porém no fim do dia, já esgotados, sentindo a calça apertada ou absortos por revistas que fazem o espelho ter razão quando diz que você é um lixo, o batalhão da vida fica cansado e o da neurose ganha força total, e é aí que  velhas ideias surgem com tudo. Você tem as piores vontades, você tem uma recaída com os remédios, vontade de desistir de tudo e uma enorme tendência a ter uma compulsão alimentar, que você começa a perceber afinal, que é uma das formas que você usa para tentar se anular, e sequer sabe a razão.


Durante o sono, normalmente você não dorme, é assombrada em sonhos pelos barulhos dessa guerra interior. Quando você escuta o despertador tem esperança de que as coisas sejam diferentes e o batalhão da vida desfile vitorioso em um carro oficial, e se pergunta até quando essa guerra vai durar.



7 comentários:

Trillian disse...

Seu post descreve meus sentimentos, também, com algumas diferenças.

E agora, o pânico. De voltar para as aulas, de continuar perdendo meus cabelos (sério, já tem 3 meses e meio, sem parar, e minha consulta com o especialista será daqui há 2 meses somente), de decepcionar à mim mesma... Preciso que todas minhas notas sejam à partir ou acima de 85% de agora em diante, e estou com medo de não conseguir. A pressão tem sido imensa. Além disto, eu preciso ser saudável, "preciso" (esse é entre aspas mesmo) perder muitos quilos, preciso de tanta coisa, só que algumas combinações simplesmente não dão certo. Se eu soubesse perder peso de forma saudável e equilibrada, seria mais fácil. Mas eu vivo em extremos: compulsão ou restrição. hehe

Beijo

Ana R. disse...

Oi princesa, esta é a batalha que muitas de nós enfrenta, mais precisamos ter confiança, determinação e força, porque um dia chegaremos no final..de uma forma ou outra..temos de ter força, melhoras, seguindo, quando der, dê uma passada lá, beijos =*

Anônimo disse...

por favor eu preciso de ajuda :C faz tempo que desisti da ana mas quero voltar...me adicionem no fake por favor preciso conversar com alguém inperfekt@hotmail.com

Mariana disse...

...
"Quando você escuta o despertador tem esperança de que as coisas sejam diferentes e o batalhão da vida desfile vitorioso em um carro oficial, e se pergunta até quando essa guerra vai durar.".

...É, somos legítimas companheiras de guerra.
Eu estou perdendo muitas batalhas. E não sei até onde isso é positivo ou negativo, mas espero que as coisas terminem da melhor forma pra gente.
Ultimamente, ando exatamente como você: bem disputada por esses dois batalhões, numa guerra infindável e que apresenta progressos muito lentamente. É uma nítida guerra de trincheiras como bem colocado por você.
Saudades suas, Marcy.
Diga a Ana Paula, se tiver contato, que ainda não desisti dela.

Um beijo

Beatrix disse...

Eu costumo dizer que tenho duas personalidades dentro de mim. As duas começam com a letra A, a A1 é a alegre, feliz, que quer amigos, que quer emagrecer, que quer cantar numa banda, que ama os pais e que adora ajudar a todos, que não usa a comida como prêmio e que sabe comer saudável, de verdade.. Já a A2 é a mau humorada, que acredita que consegue muito bem viver sozinha, que quer mais que o apocalipse venha e acabe com tudo, que olha pras pessoas e sente raiva e que come desenfreadamente tudo o que estiver na frente, para se sentir melhor e depois quer fazer longas restrições pra compensar tudo. No momento, a A2 está pisando na A1, dizendo a ela que desista, que está tudo acabado e que ela venceu. É quase como dentro da sua cabeça, a diferença é que estou me deixando vencer, mas você, como é forte e toda "Marcy" consegue passar por isso fácil fácil.

Gosto muito, muito mesmo de você. Obrigada por estar próxima.

Kisu

Beatrix

Srtª Vihh disse...

Marcy, te entendo. Essa guerra é constante e fria aqui dentro, parece que jamais vai ter fim, é então que você percebe que não é mais uma fase, mas sim um ciclo que se repete obedientemente sem parar. Que setembro lhe seja ótimo!
beijos

Anna Mia 4ever disse...

i flor, só passei aqui pra saber de vc, afinal estou em tratamento. Enfim, muitas saudades e se cuida =)