segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Revendo... Coisas.


Como eu disse no post anterior, estou sentindo que preciso me desligar um pouco. DESLIGAR. Não há palavra mais adequada. Talvez em algum momento eu tenho pensado no termo afastar, mas ele não está correto. Já estou afastada da maioria das pessoas que eu amo. Passo os dias em casa interagindo com pessoal pela internet. Salvo um dia em que fui no shopping num sábado de tarde, coisa que eu detesto aliás, e duas caminhadas com a minha mãe, não coloquei o pé pra fora. ISSO me faz mal. A falta de contato com quem eu gosto. Mas tem outra coisa me fazendo mal, o maldito Facebook. Estou me afastando aos poucos, talvez eu seja viciada naquilo, nem sei o motivo. Mas a verdade é que me irrita a felicidade montada das pessoas, a alegria descartável das sextas-feiras, o radicalismo de ateus, religiosos, esquerdistas, direitistas, cults de plantão, etc etc etc. Na verdade isso talvez esteja ligado ao fato de que eu realmente não tenho nada de bom para colocar lá, nem uma foto onde minha cara não esteja parecendo uma bolacha Trakinas...

Dieta? Só sei fazer pra engordar.
Exercícios? Tenho me revirado na cama.


Notícia ruim: Semana que vem um corretor de imóveis vem aqui para avaliar a casa, como eu disse, já temos uma pessoa que quer comprar. Estou triste e desesperada, porque não sei como vou sair daqui com meus quatro cachorros, já que apartamentos são horrivelmente mais baratos do que casas, e sinceramente se a minha mãe achar uma “pessoa legal” para ficar com eles, uma pessoa que não seja eu, será uma mágoa que terei para o resto da vida. Não estou nem aí para quem não gosta de animais e acha isso exagero, eu amo os meus, assunto encerrado.

No mais: Não estou tão ruim quanto pareço.


quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Comilança, redes sociais, cabelo novo

Como agir em uma fase compulsiva onde você está com apenas duas calças das várias que tem?

Analisando o problema, talvez o meu grande defeito seja a pressa. Tenho pressa para os resultados, e como emagrecer é um processo que não ocorro do dia pra noite, sempre vou empurrando com a barriga, que só cresce. Ontem mesmo, comi meia forma de pão de ló. Isso mesmo, meia forma, com margarina em cima.


Estou naquele momento em que troco interação social por livros, temporadas de diversos seriados e filmes.

Talvez eu precise me desligar 100% do mundo, por um único dia, mas são tantos vícios, tantas redes sociais, tantos SMSs...
E falando em redes sociais, eis que cortei meu cabelo (acima dos ombros, mais ou menos na altura das orelhas) e postei uma foto naquela porcaria de Facebook. Imediatamente surgiram pessoas comentando e algumas perguntando inbox porque eu cortei o cabelo, outras criticando. Claro que eu fui extremamente polida com todos, mas que dá raiva, ah, isso dá! Como eu disse lá, é só um cabelo, cresce de novo, eu já cortei outras vezes blablabla. Afinal, quem me sustenta não é nenhum deles. Talvez eu precise realmente me retirar um pouco do Facebook, terra de gente feliz, animada, amantes da sexta-feira, inimigos da segunda,  etc... eu sou o oposto de tudo isso.


Sobre a mudança: Conversamos e ficaremos mais um tempo aqui, para não fazer nada precipitado. ^_^


Marcy... Marcy não é um fake, é meu apelido mesmo. O rosto continua anônimo aqui no blog por uma questão de respeito pela minha mãe, afinal, não são apenas comilanças que se encontram nesses arquivos. 
Bye.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Saúde, vício, filhote, desorganização e mudança

Sabe quando se tem a vida mais monótona, sem graça e emoção do mundo, mas ao mesmo tempo não se sabe por onde começar? Bem, vamos lá.

Notícia velha: Dia 1º/08 tive uma convulsão, seguida por episódios de amnésia e sonambulismo. Alguns exames precisam ser feitos e isso vai levar um tempo. Se não for detectado nada anormal no meu funcionamento neurológico, provavelmente isso tudo ocorreu devido ao abuso de remédios (controladores de apetite e calmantes) que venho fazendo nos últimos anos. Sinceramente? Minha segunda convulsão esse ano, a primeira foi no final de fevereiro. Nas duas ocasiões eu estava tentando parar de tomar remédios. Nas duas vezes eu estava há uma ou duas semanas sem tomar um único miligrama de calmante.
Também engordei.
Não ando lá um poço de animação.
Em resumo: Preciso tratar minha dependência, minhas convulsões, minhas compulsões,  preciso emagrecer,  preciso organizar minhas coisas.


A boa notícia é que adotei um filhote. Mãe labradora e pai chow-chow. Infelizmente ela ainda faz muito cocô, daqueles moles de filhote, e é nojento limpar. A notícia estranha é que minha mãe está decida a se mudar para um apartamento até o final do ano. Com 4 cachorros, 2 de porte médio, 1 pequeno e a filhote. Alguém tem dicas de como conviver com animais em apartamento???
Morando em uma casa já consegui atingir o auge da bagunça e desorganização.
Também cortei a carne vermelha do meu cardápio, e assim que estiver mais organizada com as proteínas cortarei o frango.



Enfim. É isso.
Bye.