quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Estrada, bolhas e cães

Na segunda-feira levantei cedo, calcei o tênis de caminhar/correr o e fui fazer minha caminhada, cerca de 6 kms em ritmo moderado. Pude perceber que meu corpo está muito enferrujado. Cheguei em casa me sentindo como uma senhora reumática e com três bolhas em dois pés, mesmo tendo calçado tênis de caminhada...  se eu tivesse saído de All Star isso não teria acontecido. Na terça repeti a dose, só que de forma  mais leve e pegando outro percurso. Uma das bolhas estourou no trajeto e cheguei em casa quase rastejando. Hoje também caminhei, com curativos nos pés. Meu pé está em carne viva e amanhã vou colocar All Star, além da atadura e meias bem grossas..

Tenho comido normalmente, como uma pessoa que não se preocupa e não exagera. Da mesma forma que abandonei as restrições, abandonei as compulsões.

O que vou dizer agora pode ser interpretado como chatice se você for chato(a), ou talvez você entenda. O fato é que preciso desabafar.
Adotei uma filhote linda em Agosto, ela tem 4 meses e está doente. Primeiro não sabiam o que era, depois acharam que era sarna, mas nunca nenhum cachorro meu teve sarna, e os outros dois estão perfeitamente bem da pele. E agora os sintomas de parvovirose. Já perdi uma cadelinha por conta dessa doença em 2003 ou 2004, mesmo com os cuidados veterinários seguidos a risca, e aprendi a não ter esperanças em relação à sinomose e parvovirose. Hoje ela teve diarreia com sangue, mas está bem, ainda brinca, abana o rabo, mas está severamente magra. Me sinto de mãos atadas e tomei a decisão de nunca mais adotar um filhote, ou um animal de qualquer idade. “Ah, mas é só um cachorro...” Foda-se quem pensa assim.
EDIT:
Vanessa Betterfly me pediu ajuda pra divulgar o desafio dela, então é só clicar AQUI que tem todas as instruções pra participar.

domingo, 27 de outubro de 2013

Hello Fellas! (Com sotaque britânico, por favor!)


Impressão minha ou meu nível de drama aumentou consideravelmente nos últimos tempos?
Tive a ideia (que no momento pareceu brilhante) de apagar esse blog, como fiz com o meu antigo blog do Weblogger em 2007, mas desisti por várias razões, entre elas o fato de que posso escrever o que quiser aqui sem ter meu rosto associado ao dramalhão todo, tem um registro de quase seis anos, eu disse SEIS ANOS de idas e vindas com transtornos alimentares, histórias felizes, histórias tristes e reler o que eu escrevi nesse tempo foi fundamental no que eu chamo de capítulo superando traumas da minha vida.
Em tom não tão dramático:


Parabéns pra mim, que mesmo se emagrecer 10 kgs, voltarei ao que eu estava pesando em JUNHO. Isso mesmo. Em menos de 5 meses engordei 10 quilogramas.
Abandonei (agora, now, nesse instante) todo o tipo de restrição alimentar, pois foi isso que eu tentei fazer nesse tempo. Dane-se. Ou eu aprendo a conviver e controlar essa coisa obsessiva-destrutiva relacionada com corpo e com a comida, ou ela acabará me matando, e baby, eu ainda tenho muita estrada pela frente, com muito mais sorrisos do que lágrimas.

No momento, cansei de dietas, mas isso não quer dizer que vou me enterrar em um pote de açúcar. Quer dizer apenas que cansei e que não pensarei mais "hoje vou comer só uma maçã", porque eu vou comer mais que uma maçã.

See ya. ;)

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Days


Bem, não tenho feito muita coisa. Meus dias tem sido de filmes, um pouco de leitura, reflexões sobre a vida, música e sono de má qualidade. Tirando a última parte, acho que todo resto tem me feito bem. Fazia um bom tempo que eu não parava para assistir um bom filme, porque estava sempre hiperativa demais, nervosa demais, com medo demais. A perspectiva de nada para fazer me deu a chance de fazer coisas como esta sem me preocupar com o que vem depois.

No meio das minhas reflexões, concluí algo triste, porém reversível. E talvez qualquer um, menos eu, já tenha percebido isso. Eu não tenho respeito algum pelo meu corpo. Me alimento com porcarias, em excesso. Não tenho me exercitado, ainda que o meu corpo pareça implorar por isso, aquele medo de colocar o pé pra fora tem sido maior, mas isso está em manutenção já. Além disso, pensei diversas vezes em me machucar, e pela primeira vez, consegui controlar a vontade de fazer isso. 

E como faz tempo que eu não encerro uma postagem com uma foto inspiração, vou terminar a de hoje com o before/after da crazy girl do momento.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

I don't know who I am.


A Anne Darkness comentou que lendo meus posts, parece que não sou mais a Marcy de outrora, e olha, essa guria conviveu madrugadas e tardes adentro comigo, quando ambas ainda frequentávamos a escola. Tempos de MSN. Momentos alegres, momentos doloridos, momentos de só falar bobagem. A verdade é que esse comentário me fez reler o blog. Lendo de 2008 até a metade de 2009 senti uma espécie de vergonha. Eu era fã da saga (de livros) Crepúsculo, fui na estreia do filme, tinha os textos um tanto quanto incoerentes (como se os de hoje fossem a coerência pura) e ideias de uma adolescente um tanto quanto confusa. 2010 foi um ano legal, 2011 sentimental demais.
Conversei com a Darkness no bate-papo do Facebook, expus algumas possibilidades e fiquei de mimimi por um bom tempo com ela, que como sempre, aturou aquele momento.


Mas a verdade? Vou falar a verdade. Palavra repetida demais? Verdade... a verdade é que eu me perdi completamente! Não sei mais quem sou, não tenho ideia de qual rumo seguir. O que eu quero? Não sei! Ao invés de correr, de tentar me encontrar, não tenho feito nada. I have became comfortably numb.
Sou uma decepção ambulante, carrego uma culpa, um trauma, um peso, uma vergonha, e queria poder virar essa página, cara, eu sou forte, mas é como se ficar aqui, parada, sem me entregar ao esforço de uma mudança, de uma verdadeira virada de página, fosse mais confortável. I have became comfortably numb.
Só que eu não quero viver no/do passado, não quero ser a pessoa traumatizada, quero seguir a minha vida, sem ser motivo de caras tristes diante de uma história mal sucedida, ou malsucedida como sugeriu o editor de textos. Eu quero viver e ser apenas presente, mas o presente está vazio, não sei como preencher isso, mas posso afirmar que não é com comida.
Enfim, já divaguei demais.


quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Degringolando


Não sei como iniciar este post. Já comecei a escrever e apaguei algumas vezes, nada parece fazer sentido, em todos os âmbitos da minha vida. Eu sei que provavelmente é mais um momento, como muitos que virão.

No quesito alimentação degringolei total. Em uma semana devo ter engordado uns 2 kgs, mas perdi a coragem de subir na balança, porque da última vez houve um exagero na ingestão de remédios por minha parte.
No quesito estupidez, uma tia minha veio aqui em casa falar com a minha mãe por uma coisa que eu escrevi no MEU MURAL do Facebook. A brincadeira perdeu a graça. A minha mãe estava dormindo ferrada e não acordou, eu tomei todo cuidado para não fazer qualquer barulho, pois sabia que ela tinha vindo falar com a minha mãe por minha causa, já que ela me deixou uma mensagem na rede social.
No quesito trabalho não deu. Tive um faniquito e não fui mais. Por sorte, não chegaram a assinar minha carteira. No dia seguinte outra empresa me chamou para uma entrevista (quem tem experiência no comércio fica sem trabalhar só se quiser). Cheguei na porta e comecei a me sentir mal, então saí de lá e voltei pra casa, me sentindo completamente derrotada.  Isso estaria ligado ao fato de que eu estou ficando sem remédios? Não sei. Não quero ser uma viciada para o resto da vida...


Me sinto desprezível e desprezada, antes por mim do que por qualquer outra pessoa.

sábado, 12 de outubro de 2013

Sangue, Suor & Som

Não sou a pessoa que melhor relata fatos da vida nesse mundo, mas vamos tentar, e lembrando o post onde estava afim de desistir do show, lhes digo: Meu feeling funciona.

Chegamos na fila por volta das 13h:30min, acredito eu, um pouco depois quem sabe. Um sol de rachar. Esta que vos escreve, na intenção de pegar um atestado para seu mais novo e detestável emprego (and heaven knows I’m miserable now...) foi doar sangue de manhã. Atestado ganho, menos sangue no corpo. Foi uma tarde inteira sob um sol escaldante, com conversas malucas, três Gatorades e alguns goles de água. Cada pouco eu brincava que literalmente dei  meu sangue para assistir o show. OK. A noite chegou.

Banda regional de abertura. Empolgação zero, aplauso para os caras no final. Minutos depois Megadeth sobe ao palco e a loucura começa. Eu não sou muuuuuuuuito fã da banda, então não pulei, não enlouqueci, apenas me movi um pouco com a onda feita pela multidão. O show acabou e DE REPENTE aquela voz inconfundível do Ozzy dizendo: “OLÊ OLÊ OLÊ OLÊ” Pronto, comecei a enlouquecer. Quando eles subiram naquele palco esqueci o cansaço, as dores, o sangue doado e pulei com a galera como se eu tivesse em forma pra isso. O tiozão que provavelmente beirava os 50 (se é que já não os tinha passado) estava melhor que eu. Mas fui. Vi que continuava ao lado de uma amiga e um amigo, ou melhor, atrás de uma amiga e na frente ou do lado de um amigo.  
Quando eles começaram a tocar End Of The Beginning e eu parei quieta percebi que algo não estava bem, mas essas coisas passam.  Aí começou Fairies Wear Boots, mas minha cabeça já não ficava mais em pé e minhas pernas falharam. Em resumo, assisti mais da metade do show, o resto, ouvi sentada no ambulatório, com mais algumas pessoas no meu estado e um cara que entrou em coma alcoólico.  Um amigo que me acompanhou até o ambulatório teve que encontrar o resto do pessoal andando lá do fundão, porque não deixaram ele voltar por onde ele saiu, e isso deixou minha consciência pesada, mas um dia, quem sabe, eu possa retribuir o favor ou algo que o valha.

Resumos&Lições

*Nunca doe sangue em dia de show para pegar atestado. É estupidez. Você vai precisar daquele volume no teu corpo.

*Beba muuuuuuuuuuuito líquido, água, isotônico, água, suco, água, não importa se você tem uma bexiga que enche, o que você sua durante o show provavelmente pode ser colocado em uma garrafinha, daí tanta necessidade de líquidos.

*Pule, mas se estiver fora de forma, nem tanto.

*Não faça LFs antes de um grande show.

*Não reclame da sua cara gorda nas fotos, ao menos você tem história.

*Se nos dois dias seguintes sentir fome e sede como um leão em jejum, SE ALIMENTE e beba muito líquido, você precisa.


*Depois que passar, ria e recomece sua busca por um corpo melhor.

Foto que peguei de uma amiga. Sem pedir. Não posso dizer "ó publiquei no meu blog, este é o endereço" porque seria mais um sermão...

Abraço pra quem é de abraço, beijo pra quem é de beijo e aceno de mão pra quem é de acenar.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Aquele momento em que tu não sabe um título pra colocar aqui....

Sim, essa foto de novo

A força fugiu de mim como se ela fosse uma detenta e eu a penitenciária. Me arrasto pelos pequenos cômodos desta casa tão cheia de energias ruins. Penso em ler um livro, mas não consigo me concentrar.

Estou conseguindo fazer uma dieta bem reduzida, por pura falta de vontade, mas não consigo me exercitar, então os resultados serão mais lentos. Estabeleci a seguinte rotina: Me pesarei toda sexta-feira, e toda sexta terá uma meta, se a meta não for atingida, LF radical no final de semana e pesagem no domingo. Mas acredito que as metas serão atingidas todas as sextas, porque são bem ponderáveis.

Depois desse bendito show do Black Sabbath vou ter que dar um jeito na vida. Arrumar um emprego, fazer uma viagem, procurar um médico, estudar... qualquer coisa. 

Perdida, triste e desesperada