domingo, 21 de dezembro de 2014

Cold Heart

Obs inicial: Fui arrumar a verificação de palavras, estava dizendo pra não pedir. Mas mesmo assim mudei, mudei de novo e atualizei.

Tem dias que a vida reserva uns baques pesados pra gente, e em muitos casos, eles parecem vir todos juntos. Claro que a gente deixa de enxergar tudo que está bem e foca naquilo que está ruim.
A boa notícia é que os antibióticos estão me curando, minha mãe parece feliz... a notícia ruim é que muitas coisas chatas aconteceram. Eu pareço, de alguma maneira, danificar a maioria das coisas que eu gosto. E tenho a impressão de que essas coisas são como cristais, não voltam ao normal, por mais que eu queira. 
Me dizem que está tudo bem, mas não está.
Dizem coisas que eu queria ouvir, mas não da forma como eu queria que significasse.
Está tudo confuso na minha mente. 
Lado bom da vida? Minha irmã adotiva (B.) chega em dois dias, com as duas irmãs biológicas dela pra passar o natal aqui.
Primeira vez desde 2011 que passarei o natal com mais de uma pessoa. É sempre uma época difícil pra mim. 

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Sickness

Estou doente. 

Começou com uma pequena dor de garganta, seguida de um sagramento e muitas horas alternadas de febre. Em alguns momentos, via uma moça sentada comigo na cama, mas não tinha ninguém lá. 
Aparentemente é apenas uma infecção forte na garganta, que está cheia de placas, mas não fiz exames de sangue pra saber se existe alguma outra coisa, pois estou com muito medo dessa febre toda em horários diferentes.

Consequentemente comi menos, mas acredito que ingeri mais calorias, porque só coisas pastosas  ou macias passavam pela minha garganta... então comi batatinha cozida e amassada, cremes, etc... mas não me importa, eu quero melhorar, porque ainda estou doente. 
Tomei 3 injeções na bunda. =/ Como dói essa tal de benzetacil. Mas minha gratidão se ela me curar.

Perdi váááárias, várias mesmo, entrevista de emprego, inclusive uma em um restaurante bem natureba onde queria muito trabalhar, pois não conseguia levantar da cama. 
=/


MUITO FELIZ PELOS COMENTÁRIOS DE AMIGAS QUERIDAS AQUI, FELIZ DEMAIS MESMO!

Então essa semana foi anulado no quesito dieta/atividades físicas. Mas semana que vem tá chegando, e essas injeções vão ter valido à pena.

SOBRE A VERIFICAÇÃO DE PALAVRAS NOS COMENTÁRIOS, QUE ME FOI RECLAMADO: Não sei como isso apareceu, e nem consegui tirar, por enquanto, vai continuar aí. Se alguém souber como tirar, agradeço.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Então...

Parar de postar pode ter sido um erro. Eu preciso escrever, preciso colocar pra fora esse turbilhão de sentimentos. Mas sendo sincera, não me sinto no lugar certo, e vou explicar porquê.
Comecei esse blog em 2008, depois de excluir um blog que eu tinha em outra plataforma desde 2006.
Nesse espaço houve privação alimentar, houve bulimia, houve consequências disso, hospitais, médicos, exames, clínicas psiquiátricas, uma tentativa falha de terapia, perda de peso, ganho de peso e o efeito sanfona.
Sempre mantive contato com blogs de meninas que vivem em função de dieta ou que se dizem pro-anas, com algumas exceções. Mas eu não sou isso, eu não sou pró-ana, sou gorda, estou obesa, aliás, não vou esconder isso, da mesma forma que não vou compartilhar meu peso.


Mas me sinto divida.

Tem um lado meu que precisa e quer emagrecer, por questões de saúde, estética também e por não ter dinheiro para comprar roupas maiores.
E tem o lado que gostaria de perder poucos quilos e seguir na luta contra a gordofobia, porque ser gordo não é errado, errado é o preconceito que existe por trás de tudo isso. Afinal de contas, eu fiz exames há uns 2 meses, e a médica falou que está tudo ok, inclusive, os triglicerídeos estavam quase muito baixos. Essa coisa de associar pessoas gordas com doenças está errado. E eu quero levantar essa bandeira. Mas quero me sentir bem comigo.



Confuso, não é?


Eu sei...
O fato é que preciso escrever.

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

"A comida não vai fazer nada além de matar a sua fome"

Foi o que disse Susie Orbach, que além de escritora, era psicanalista da Lady Di.
Não respondo pelos meus erros ortográficos, estou escrevendo o mais devagar que posso mas sim, misturei bebida com remédio. Não muito.


Depois do diagnóstico de Transtorno de Personalidade, que envolve dificuldade de encarar a vida adulta, arrumei o primeiro emprego que me apareceu pela frente. Começo na segunda. Paga mal e deve ser horrível, mas falarei disso depois que vivenciar a coisa toda.
O trabalho é de meio período, o que me dará a chance de continuar fazendo.... nada, nas horas vagas.

Estou numa fase difícil, como estou. Problemas descontados na comida, no corpo, nos outros... não vou aguentar isso por muito tempo, mas enquanto eu estiver respirando...



sexta-feira, 10 de outubro de 2014

?

Sinceramente estou esperando receber alguma missão nesse mundo, ou enxergar claramente a missão que me foi dada. Vai ver estou começando a enxergar.
Hoje comprei Hynib Tabs. ÉCA. Que coisa horrível, mas realmente tira a fixação por doce, de tão enjoativo que é cada tablete. Gastei ricos R$60 e poucos reias das minhas poucas economias.

Minha mãe resolveu um problema que a incomodava há 40 anos. Os detalhes cabem à ela, mas foi um alívio pra todos, porque ela nunca tinha se dado conta de quanto aquilo pesava. Acho que a vida dela vai dar um giro.

Não adianta, eu preciso me acertar com meu corpo. Isso não quer dizer que eu queira pesar 40kgs, não, longe de mim, mas do jeito que está, não dá.


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Adiando

Desmarquei a consulta com a psicóloga, minha cadela (que nem comigo estava) acordou morta essa manhã.
Os dias estão se revelando verdadeiramente surpreendentes!


https://www.facebook.com/palavrascompulsivas

domingo, 5 de outubro de 2014

Mom and I

Muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo.
Minha mãe me acusou de querer ser mais vítima do que ela roubando o lugar dela de pessoa mais problemática da casa, isso depois de eu passar um dia inteiro dando suporte aos problemas dela, que são grandes, muito maiores que os meus.
Mas a verdade é que eu também tenho traumas que envolvem sexualidade, mas já é tarde demais pra falar disso com ela, que tem um histórico pior que o meu. Só que bem, ela conseguiu casar, ter uma filha, e eu, não consigo sequer ir pras preeliminares com alguém.
Eu lembro de coisas, de uma época que ela namorava um cara, e por estarmos com a casa cheia, dormi no quarto dela, só eu e ela. O namorado ligou de manhã, eu já estava acordada, ela não, acordou, atendeu e não percebeu. Começou a falar umas sacanagens com o cara, e agora tá acontecendo algo semelhante com ela e um cara aqui do prédio, e ela me conta como se fosse minha amiga de escola, e eu sinto nojo, e falei isso pra ela. Bem, é claro que ela não está falando comigo agora.

Como vou começar a ir na psicóloga Quinta, vou fazer, como muitas garotas, títulos com o número do dia do meu tratamento. O dia 1, obviamente, será na Quinta-Feira.

Fora isso, tudo uma bosta.


quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Hello, Doctor

Consulta  com a psiquiatra hoje.
Depois de vários altos e baixos, ela me diagnosticou com distúrbio de personalidade e bipolaridade.
Saí de lá pior do que eu entrei, talvez porque eu ouvi coisas (verdadeiras) que não queria ouvir.
Aliás, ela disse que sem terapia eu terei "uma vida muito difícil". Marquei uma consulta com a psicóloga dia 09, talvez eu vá, talvez eu desmarque.
A verdade é que todo mundo tem problemas e eu me sinto uma imbecil pelos medos que eu sinto, pelos meus ataques de pânico e afins. Vai entender...


terça-feira, 19 de agosto de 2014

Am I Back?

"Minha alegria compro em cápsulas
Eu sei, na teoria
Adio toda dor"

Sumi, mas voltei. Os dias tem sido tão... cansativos!
Não estou trabalhando, minha mãe está de férias, então todos os ajustes no apartamento tem sido feitos agora, eu estou enlouquecendo.
Minha vida se resume a levantar, tomar Fluoxetina, Bupropiona e Lítio, levar minha mãe ao médico, me preocupar com a minha mãe, esperar minha mãe voltar do médico, amparar a minha mãe nas crises depressivas dela, procurar um emprego e pra finalizar, tomar Lítio e se necessário, um comprimido para dormir. Tem sido necessário ultimamente. Mas vivo cansada.

Objetivo: Arranjar um emprego até o fim do mês.
Prioridade: Ver minha mãe melhorar.



sexta-feira, 13 de junho de 2014

Como proceder?

Quando você estagnou? Quando quase nada parece engrenar? Quando se chega na estaca zero?


quarta-feira, 28 de maio de 2014

Novas! Changeeeees! Dicas(?)

Primeiro, minha mãe reagiu consideravelmente bem aos remédios. Como milagres não acontecem assim de um segundo para outro, ela tem que fazer a parte dela e ainda há um longo caminho pela frente.

Nos mudamos finalmente! Não me sinto em casa, o barulho e a claridade daqui me incomodam demais. Além disso, ainda não compramos um roupeiro para o quarto e um armário para a cozinha, então não temos onde enfiar a bagunça, que está espalhada pelo apartamento de 1 quarto. Sair de uma casa com 4 quartos em um bairro que ficava no subúrbio da região metropolitana de Porto Alegre para viver na própria capital do RS, em uma das avenidas mais movimentadas, do lado do Centrão e que liga a cidade à Zona Norte foi um baque. Confesso que estou histérica e desgostosa. Preciso de um emprego.

Agooooora, porém, vamos aquela questão... desde o problema da minha mãe e o stress com a mudança engordei 11 (eu disse onze) kgs e estou precisando de uma dieta emergencial. Não tem um jeans que me sirva para que eu possa  fazer uma entrevista de emprego ou entregar uns currículos.
PENSEI em fazer aquela dieta da papinha de nenê. Alguém já se aventurou nessa?  Estou aceitando dicas, sugestões e afins. começarei um regime brabo no domingo, pois sábado meus melhores virão jantar aqui, daí não adianta começar e quebrar.

Passarei em vossos blogs. Que saudade daqui!!!

sábado, 10 de maio de 2014

Decisão, tensão e responsabilidade

Eram 7h:30min mais ou menos da última quinta-feira e meu celular tocou. Era minha mãe. Tinha consultado a médica do trabalho, que a tinha encaminhado para um psiquiatra, que iria atender ela de tarde. Até lá, ela ficaria em observação e precisava chamar um familiar, no caso, eu.
Depois ela consultou o psiquiatra, que me chamou para conversar. Falou de tudo que eu já sabia e me propôs algo... internar a minha mãe por quinze dias, em um hospital psiquiátrico terrível. Como eu não estou fazendo nada da vida, discordei da internação e me responsabilizei por ela, com direito a termo assinado e tudo. Até as medicações dela devem ficar em meu poder. Eu juntei todas as forças que me restam pra salvar a minha mãe e vou conseguir.

Por enquanto ela está molenguinha por causa dos remédios com os quais não estava acostumada, mas tudo indica que logo ela vai estar voltando a ser quem ela era há alguns anos atrás.
Ela é o centro da minha vida no momento, e não admito que reprovem a minha atitude de não interná-la, pois quem já foi internada sabe o quanto isso é um inferno. Além do mais, ela fez o mesmo por mim em 2008.

Aliás, que todas nós tenhamos um lindo dia das mães.

Até a próxima.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Na sala do psiquiatra...

De alguma maneira cheguei em um nível de esgotamento que me levou, depois de seis anos, a voltar para a sala de um psiquiatra.
Nada relacionado aos últimos dois posts, isso se tornou tão insignificante... o que mais tem me machucado é ver minha mãe mal... acho que fui nessa consulta pra ficar mais forte pra poder dar mais apoio pra ela. Ela passou mais uma noite na emergência  do hospital.
Cheguei em um ponto onde dificilmente consigo sair se casa, deixei o desânimo tomar conta de mim e... sei lá, ainda não mudei esse cenário totalmente.

Ao contrário do que possa parecer, não quero morrer, não pretendo me matar, pelo contrário, quero sair dessa condição de sub-vida.

O resultado? Tratamento com Carbonato de Lítio e a recomendação para fazer terapia, que foi gentilmente recusada no momento. No momento.

Não estou esperando grande coisa  disso tudo, nem estou jogando tudo pro alto. Dei o primeiro passo...


quarta-feira, 12 de março de 2014

"Agora mesmo te olhando me veio um refluxo..."

"Mas já desceu"


Pois é, o post passado nada mais é do que... passado. Sempre disseram que nunca levou um par de chifres um dia leva. Posso me considerar isenta agora? O triste foi perder um amigo, mas na verdade essa história nunca deveria ter começado, e agora, acabou.

Não sei se é a minha má alimentação, o excesso de medicamentos ou o quê, mas estou com sérios problemas pra enxergar. Quando criança eu tinha um grau baixíssimo de estrabismo, então as letras embaralhavam. Usei óculos por alguns anos, mas depois parei. Nunca houve problemas. Agora porém, além das letras embaralharem, coloco zoom no Chrome de 150% pra enxergar com tranquilidade. Com 125% fica mais ou menos. Sei que preciso procurar um oftalmologista e em seguida um neurologista, mas tudo isso demanda dinheiro, e eu estou de mudança, minha mãe de deu um vestido de R$300,00 para eu ir em uma festa dia 22 e disse que vai marcar psiquiatra, e eu aqui, desempregada. Bacana não?
Procurar emprego só se for usando manga comprida, com todos os cortes que eu, em um momento de surto fiz no meu braço. Então o que posso e o que vou fazer é dar tempo ao tempo. Minha grande meta de correr a Corrida de São Silvestre no final do ano parece estar caindo por terra, pois bêbada, torci feio o pé, parecia só uma luxação, mas uma semana e um dia depois, tá doendo demais ainda, não consigo pisar no chão direito...  mas não deixarei de ir à São Paulo em Dezembro. Troquei todas as minhas mágoas natalinas por mágoas carnavalescas.



Até a próxima!

quarta-feira, 5 de março de 2014

Like a piece of shit. Odeio Carnaval.


Éramos amigos mas sentíamos um clima, ambos. Eu e ele. Fomos em uma festa, mas antes de irmos fizemos uma promessa, a pedido dele: “Não vamos nos separar na festa, vamos juntos.” Vai uma cerveja, vai outra, vai um combo. Dançamos. Uma menina me chama para dançar aí eu danço sem maldade com ela, ele me puxa, e me diz que ela é nojenta, porque é lésbica e estava com segundas intenções. Ela não era lésbica, mas se fosse, tudo bem. Sentamos na varanda onde não tinha ninguém, acabamos ficando. E conversamos muito. Ele me confessou que gostava de mim, combinamos que a amizade não mudaria depois da festa, e ele também confessou que não sabia se era bi ou hétero, mas naquela noite, ele estava comigo.
Uma hora depois ele beijou o amigo que me convidou pra ir pra festa. Acabei fazendo a criança brava, bati nele, mas depois fizemos as pazes. Fomos dormir pra esperar o dia amanhecer e ir embora. Quando acordamos, ele não estava mais falando comigo, segundo ele, porque eu fui infantil e bati nele. Pedi desculpas, mais de uma vez, ele apenas virou o rosto pra mim.


Resumo: Estou me sentindo um lixo, barato, ordinário e descartável.

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Bored




Comigo parece que é assim... eu faço um plano e tudo parece girar, eu fico tonta e por fim caio. Levanto? Sim. Mas demora.
Uma inflamação no nervo ciático interrompeu minhas caminhadas. Me sinto gorda demais, parada demais. Não ousarei utilizar a palavra fracassada porque pode ser que amanhã tudo melhore.

TPM atacando com tudo, menstruação irregular, seios enormes e vontade de gritar.


quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

"I Want To Break Free"


Vim aqui pra dizer que pra mim chega. Ou eu acabo com essa loucura ou ela acaba comigo.
Cansei de buscar um corpo perfeito, de me jogar em dietas sem pé nem cabeça que eu sei que não vou conseguir cumprir, de me auto-humilhar, de perder chances por ser tão insegura, de me amar tão pouco, de estereótipos e a inimizade com o espelho que nunca acaba, das frustrações diárias. Cansei mesmo. Não aguento mais ter vontade de sair e não ir porque na minha cabeça, o fato de eu estar acima do peso me impede de sair, de trabalhar, de viver. Não aguento mais isso.

Não tenho a intenção de abandonar esse blog, mas provavelmente o foco dele vá mudando de direção. Também não pretendo comer e não ter a vergonha de ser infeliz, mas chega de me repudiar tanto e me submeter a coisas que não consigo fazer.

Passar 4 dias e meio no interior, no meio do nada me fez tão bem, e voltando pra cá percebo o contraste entre me sentir livre lá, e tão presa aqui. Mas é uma questão de me libertar aqui também, e é isso que eu pretendo fazer.



Essas são minhas pernas grossas, quero afiná-las, mas até que isso aconteça, eu não preciso desprezar elas tanto assim.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Ch-ch-ch-ch-changeees

"Turn and face the stange"
Changes - David Bowie

Algo mudou em mim, e eu achei que tivesse sido de uma hora pra outra, mas relembrando os últimos meses, desde os meus ataques de sinceridade, passando pelo meu isolamento e pelo problema da minha mãe, vi que foi uma mudança que aconteceu aos poucos, e cada acontecimento, cada situação, cada reflexão contribuiu para que isso acontecesse.


Abandonei um lado tímido que me dominava por completo, o problema é que agora talvez esteja tão afoita que me soltei demais. Sabe quando você fala o que dá na telha e depois se pergunta o motivo? Pois é.

Voltei com as minhas amadas caminhadas. Entre 40 e 50 minutos por dia. Vamos desfazer os estragos das festas de final de ano e sentir as calças ficando largas.
A relação com a comida anda tranquila.


Quero agradecer a querida Beatrix por tantos conselhos que tem me dado, tantos momentos em que tem me ouvido, me ajudado, e por estar acompanhando essa mudança em mim tão pacientemente. Você é maravilhosa e merece ser triplamente feliz!!!! ^_^


sábado, 18 de janeiro de 2014

"A minha vida, eu preciso mudar todo dia"

(...)
"Eu quero sempre maaaaaaaaaaaais"

2014 começou com cara de ano novo, porque finalmente resolvi encarar e tratar os velhos problemas.


Algumas surpresas começaram a aparecer.
Quem acompanha esse blog há teeempo sabe da B., minha irmã emprestada, que foi embora daqui no começo de 2012, blablabla. Eis que passarei a primeira semana de Fevereiro com ela no interior. Descansando, me divertindo, esquecendo os problemas. Minha mãe, que está melhor, gostou bastante da ideia e me deu todo apoio, e os vizinhos vão ficar de olho caso algo estranho aconteça.
Assim que voltar de lá, pretendo me inserir novamente no mercado de trabalho. Não vou me jogar em qualquer coisa, nem procurar algo perfeito. Provavelmente pararei no comércio, mas se isso me ajudar a pagar as minhas contas e a chegar no final de 2014 com o nome limpo, beleza!


Tenho outros planos em mente, mas acho que é melhor fazer uma coisa de cada vez.


A minha relação com a comida está mais calma, constante, sem compulsões exageradas.



segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Saída de emergência / Página rabiscada



Não percebi como aos poucos uma coisa pode tomar tamanha proporção. 
Eu estava em casa, sem sair há muito muito muito tempo. Perdi a vontade de tomar banho, tirar o pijama, fazer compras, sair com amigos, dormir...


Sabe aquela cena de O Clube da Luta onde o protagonista diz que quem tem insônia nunca dorme, mas também nunca acorda? Pois era o meu retrato dos dias que se passaram.
Fiz besteiras, meu cachorro velho morreu, enquanto isso, tudo em mim é motivo de preocupação. Olheiras que segundo a minha mãe, parecem desenhadas com maquiagem roxa ou azul em baixo dos meus olhos. meu cansaço, minha sonolência, minhas gengivas que sangram, meu bruxismo, etc.

Hora de voltar a fazer o tratamento. Antidepressivos, ansiolíticos quem sabe. Terapia? Não. Com todo o respeito as meninas daqui que cursam psicologia, acho que a terapia só é válida quando o "paciente" está disposto, e eu, NO MOMENTO, não estou. Quem sabe, em alguns meses, eu marque uma hora com algum psicanalista, analista, psicologo, psicoterapeuta, terapeuta, etc.

No momento vou sim preferir tratar os sintomas ao invés da causa, porque só assim terei ânimo e disposição para quem sabe um dia, tratar a causa. Pelo menos sei que os traumas de infância envolvendo homens malvados foram superados com muita conversa nos 3 últimos meses do ano que passou. Sei que é preciso achar a grande causa disso tudo, mas no momento não me sinto preparada.


segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

"Eu nem sei pra onde vou, pode até não dar em nada"

"Minha vida segue o sol
No horizonte dessa estrada"




Leandro&Leonardo? Sim! Queria os jovens mais jovens que eu soubessem que houve um tempo, na década de 90, em que o sertanejo era uma música melhor, bem diferente do tchetcherere tche tche que ouvimos hoje em dia. Eu gostava de Leandro e Leonardo, e chorei aos 6 anos, quando o Leandro morreu.


Apesar do título fazer parte da música Um Sonhador, ele é condizente  com a minha situação atual. Não sei pra onde vou, vou seguindo o sol. Talvez meu problema seja estar evitando o sol, dormindo em horários invertidos, fugindo de qualquer socialização e consequentemente, comendo mais do que gostaria. A dificuldade tem sido grande para sair de casa. Talvez se eu procurasse um psiquiatra e explicasse isso sairia de lá com uma receita e uma reconsulta, e resolveria o meu problema de maneira prática. Mas não ando com disposição para contar meus problemas para um cara de jaleco, mesmo sabendo que a receita azul providenciada por ele me ajudaria a voltar a sentir essa coisa tão linda chamada alegria de viver.
Talvez eu vá fazendo uma coreografia alternativa para a Dança da Manivela até o carnaval e queime umas calorias com isso.
Dito isso, não tenho mais o que dizer
Até breve.